1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Políticos recusam-se a dialogar com deputados expulsos do Parlamento de Bissau

Fracassou mais uma tentativa de mediar a crise política na Guiné-Bissau. Pela terceira vez, o Presidente do país não conseguiu reunir consensos. Os deputados expulsos do Parlamento não são reconhecidos pelo PAIGC.

default

Bandeira do PAIGC

O Presidente guineense, José Mário Vaz, pediu à direção do Parlamento, ao Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC, no poder), ao Partido da Renovação Social (PRS) e ao grupo dos 15 deputados expulsos do hemiciclo que se apresentassem, esta sexta-feira (05.02), numa reunião no Palácio da República - com propostas concretas para a saída da crise que se arrasta desde dezembro. Mas as cadeiras do PAIGC e do Parlamento ficaram vazias.

Tanto a direção da Assembleia Nacional Popular (ANP) como a direção do partido no poder recusaram-se a sentar à mesma mesa que os quinze, porque não os consideram representantes de nenhuma instituição da República.

Guinea-Bissau Präsident José Mário Vaz

José Mário Vaz, Presidente da Guiné-Bissau

"Se o diálogo é entre as instituições, é necessário que se faça uma reunião entre elas", argumentou Aly Hijazy, secretário nacional do PAIGC, deixando claro a sua falta de confiança: "O formato que foi apresentado nas primeiras reuniões não nos dá garantias de que, na realidade, vamos chegar a um ponto comum."

O maior partido da oposição, o PRS, saiu do Palácio da República insatisfeito com a ausência do PAIGC e da ANP. Florentino Mendes Pereira, secretário nacional do partido, diz que não havia condições para realizar as negociações: "Há uma falta de vontade em continuarmos nesta via de encontrarmos uma solução para a crise via diálogo."

Crise mantém-se, sem solução à vista

Vários correntes em Bissau tentam pressionar o Presidente guineense a tomar urgentemente uma posição para ultrapassar o diferendo. Observadores temem que, neste momento, não haja outra alternativa senão demitir o Governo ou dissolver o Parlamento.

Guinea-Bissau Ministerpräsident Baciro Dja

Baciro Djá, um dos deputados expulsos do Parlamento

Baciro Djá, um dos quinze deputados expulsos do PAIGC, acusa o partido de ser o principal responsável pelo bloqueio e lamenta que a direção não esteja a abrir portas ao diálogo.

"É uma pena não termos a presença do PAIGC e da Assembleia Nacional Popular neste encontro, mas nós pensamos que o PAIGC vai refletir, vai pensar na sua posição na ANP para, na quarta-feira (10.02.), nos podermos sentar à mesa e, definitivamente, encontrarmos uma solução para a crise que abala o país."

A situação de impasse político que se vive na Guiné-Bisssau mantém-se, com cada uma das partes a reclamar que a razão está do seu lado.

A qualquer momento, Olesegun Obasanjo, antigo Presidente da Nigéria e enviado da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) para a Guiné-Bissau, poderá aterrar na capital guineense para tentar mediar a crise. A sua vinda está a ser reclamada por várias figuras da sociedade civil. No final do ano passado, foi preciso a presença de Obasanjo em Bissau para encontrar uma solução que permitisse a formação do Governo de Carlos Correia.

Ouvir o áudio 02:34

Políticos recusam-se a dialogar com deputados expulsos do Parlamento

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados