1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Polícias admitem culpa por morte de moçambicano na África do Sul

Depois de sucessivos adiamentos, começou esta terça-feira (28.07) no Tribunal Supremo da África do Sul, em Pretória, o julgamento dos nove agentes indiciados pelo assassinato do taxista moçambicano Mido Macia, em 2013.

Mido Macia perdeu a vida depois de ter sido espancado, algemado de costas na parte traseira de um carro da polícia e arrastado por mais de quatrocentos metros numa estrada alcatroada. Tudo aconteceu há cerca de dois anos e meio, a 26 de fevereiro de 2013, na sequência de uma discussão sobre estacionamento em Daveyton, arredores de Joanesburgo.

Durante as investigações, os polícias negaram o seu envolvimento na morte de Mido Macia, alegando que o moçambicano foi encarcerado enquanto vivo. E atribuíram a responsabilidade pelo que aconteceu aos outros agentes da esquadra onde Macia viria a perder a vida. Mas na audiência desta terça-feira os réus assumiram a sua culpabilidade.

De acordo com o relatório da autópsia ao corpo de Mido Macia, lesões profundas terão causado uma hemorragia ao jovem taxista. O início do julgamento no Tribunal Supremo foi adiado várias vezes depois de o Ministério Público ter finalizado o processo de produção de provas sobre o envolvimento dos agentes policiais no assassinato.

Brutalidade policial

Para o constitucionalista alemão Andre Thomashausen, esta acção policial é uma herança do período de segregação racial, o apartheid. "Não existe realmente uma vontade de fazer justiça neste caso, que foi de uma injustiça gritante", afirma. Segundo o constitucionalista, o caso é também "uma demonstração muita feia" de que "a violência do passado dos tempos do apartheid, quando a vida humana não tinha valor, continua a manifestar-se".

Andre Thomashausem defende que nada tem sido feito na África do Sul para acabar com a brutalidade da polícia. "Os ministros responsáveis pela actuação da polícia não têm prestado muita atenção. E a prova mais gritante é o assassinato dos 34 mineiros de Marikana" pela polícia, lembra.

Ouvir o áudio 02:39

Polícias admitem culpa por morte de moçambicano na África do Sul

O embaixador moçambicano na África do Sul, Fernando Fazenda, defende o curso normal da justiça como forma de evitar interferências. "Imagino que o Governo tenha muita vontade que o caso Macia seja resolvido. Isso significa que tem que ir ter com o juiz para dizer: resolvam este problema. Isso pode ter outra conotação, mesmo no seio da sociedade civil, pode significar uma interferência que não é saudável", afirma, lembrando que se interfere neste assunto, também pode interferir noutros.

O juiz que dirige as sessões deu início ao interrogatório das testemunhas arroladas pelo Ministério Público, ao que se seguirão as testemunhas arroladas pela defesa. Terminada esta etapa, terá início a audição dos nove polícias acusados de assassinar Mido Macia.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados