1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Polícia volta a impedir manifestação na Guiné-Bissau

A polícia da Guiné-Bissau voltou a impedir a manifestação dos Inconformados com a crise política, este sábado (15.07), dispersando à força os jovens, em Bissau. Movimento manteve protesto simbólico em prédio de ONG.

Polizeigebäude in Guine-Bissau (DW/B. Darame)

Instalações da polícia em Bissau

A informação foi divulgada pela agência Lusa, citando Sumaila Djalo, porta-voz do grupo. Segundo a Lusa, Djalo indicou que a polícia mandou dispersar o grupo de jovens que se preparavam para iniciar uma manifestação pacífica em Bissau, alegando que o protesto não tinha sido autorizado pelo Ministério do Interior.

Tal como aconteceu no dia 08 de julho, a polícia voltou a impedir hoje (15.07) a manifestação e a proibir qualquer iniciativa dos inconformados, precisou Sumaila Djalo.

Guinea-Bissau - Proteste gegen die Regierung: Sumaila Djalo (DW/B. Darame)

Sumalaia Djalo, porta-voz dos Inconformados

Ato simbólico

Transportados em carrinhas, os jovens saíram do local da concentração - largo da rotunda do aeroporto - para a sede da Liga Guineense dos Direitos Humanos (LGDH), onde realizaram, simbolicamente, a manifestação.

Alinhados na varanda da sede da Liga, cerca de duas dezenas de jovens permaneceram durante algum tempo com a boca tapada com fitas e as mãos atadas.

O presidente da Liga juntou-se ao protesto.

Sumaila Djalo disse que o gesto simboliza "a mordaça e o terror que o atual regime pretende impor" na Guiné-Bissau.

Um cordão policial cercou a sede da Liga Guineense dos Direitos Humanos durante todo tempo que os jovens ficaram alinhados na varanda do edifício, conhecido como Casa dos Direitos.

Guinea-Bissau Anti Regierungs Protest (DW/A. Kriesch)

Manifestação contra o Presidente guineense, em março deste ano

Liga repudia ação das foças de segurança

O presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos, Augusto da Silva, advogado, disse à Lusa, que telefonou ao secretário de Estado da Ordem Pública, Francisco Djata, a quem apresentou o "protesto e repúdio" pela situação "inédita de cercar a sede de uma organização dos direitos humanos," com forças de segurança.

"Nem durante o período de transição, a seguir ao golpe militar de 2012, isso aconteceu", frisou Augusto da Silva.

O presidente da Liga notou que a sede da sua organização se situa "atrás do Quartel-General" das Forças Armadas, "mas nunca" os soldados estiveram no local, disse.

Augusto da Silva afirmou, também, que a Liga "não pode deixar de denunciar" o que considera ser a "instauração da tirania e ditadura" na Guiné-Bissau.

Ficar calado significa "aceitar que se ponha em causa" as conquistas democráticas do povo guineense, referiu Augusto da Silva.

Leia mais