1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Polícia de Moçambique interroga ativista Alice Mabota

Em Moçambique, circula uma mensagem via telemóvel que apela a uma manifestação popular com o intuito de derrubar o Presidente Armando Guebuza. A alegada autora: Alice Mabota. Mas a ativista nega.

A polícia convocou, nesta quinta-feira (16.01), a presidente da Liga dos Direitos Humanos de Moçambique, Alice Mabota, para prestar declarações por incitação à violência e desobediência civil. Em causa, está uma mensagem eletrónica, atribuída a Mabota, que apela à realização de uma manifestação popular para derrubar o Presidente, Armando Guebuza. Mabota nega ser a autora da mensagem, como disse à DW África: “não tenho a mínima ideia de fazer uma manifestação para derrubar o Presidente”.

Alice Mabota diz que o presidente Guebuza vai a voto nas eleições de novembro e “é aí que o povo vai depositar o voto para mostrar que não o quer nem a ele nem às pessoas da FRELIMO”, uma referência ao partido governamental Frente de Libertação de Moçambique.

A ativista contou ainda o que se passou na polícia: “disse-lhes: investiguem primeiro e depois notifiquem as pessoas”. Na opinião de Mabota, é a polícia que tem a capacidade de consultar os dados para esclarecer de onde vem a mensagem por telemóvel em causa “em vez de me pedirem a mim para eu vos esclarecer”.

“Polícia tem um trabalho péssimo”

Segundo Alice Mabota, a polícia quis saber igualmente porque é que a ativista não tinha anunciado àquela corporação que estava preocupada com o teor da mensagem que circulava: “eu disse: eu não estou preocupada. E, de resto, não vou dizer nada à polícia, porque a polícia tem um trabalho péssimo. Não confio na polícia. Porque é que vou perder tempo a andar a falar à polícia sobre mensagens? São tantas as mensagens que eu recebo".

Demonstration gegen Entführungen und Krieg in Maputo

Alice Mabota foi promotora da manifestação de outubro de 2013 contra a insegurança no país

A DW África perguntou a Alice Mabota o que poderia estar por detrás da notificação da polícia: “só me apercebi que eles querem fazer uma manifestação a apoiar o presidente Guebuza. Ele tem a imagem tão desgastada, que precisa de uma manifestação”. Irónica, a ativista acrescenta: “não é proibido, podem fazer, desde que não me perturbem”. Desconfiando que têm medo da sua popularidade, Mabota comenta: “Não estão a aguentar a pressão do descrédito em que caiu este Governo”.

“É preciso parar com a guerra”

Alice Mabota considera que a situação atual no país é “péssima” e tem uma exigência principal: “é preciso acabar com a guerra”. Mencionando ainda a necessidade de pôr cobro aos raptos que têm afligido o país, a ativista avisa: “nós vamo-nos manifestar se isto continuar assim”.

A Presidente da Liga dos Direitos Humanos de Moçambique reitera que não é a autora da mensagem que apela à realização de manifestações para derrubar o Presidente Armando Guebuza. Afirma ainda que, apesar de estar a receber vários pedidos para a realização da manifestação, tem defendido que a mesma não é oportuna neste momento, "porque o país está mergulhado numa guerra sem precedentes”. O conflito alastra-se e “o problema é que a FIR (Força de Intervenção Rápida) vai descarregar a raiva” do revés com a RENAMO, o maior partido da oposição, nas populações que se manifestam. “Isto é o que quer o poder. Haver manifestação, degenerar em escaramuças e dizer que não há condições para fazer eleições”, conclui.

Ouvir o áudio 03:26

Polícia de Moçambique interroga ativista Alice Mabota

Mulher sem medo

Alice Mabota tem-se evidenciado pelo seu papel na denúncia de violações e na defesa dos direitos humanos no país e ainda pelas suas posições críticas do atual regime. Nos finais do ano passado, a ativista promoveu aquela que foi descrita como a maior manifestação pacífica antigovernamental nos 38 anos de independência, com a participação de cerca de 30 mil pessoas só em Maputo: “realizei e tive sucesso. Portanto, eu não me ia esconder atrás de mensagens. Nem ia teimar que sou. Mas com medo de quem? Quem é que me mete medo? Eu só tenho medo de Deus”.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados