1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Pescadores e vendedoras de peixe desesperados em Inhambane

Na província moçambicana de Inhambane, o Governo prometeu apoio financeiro para lidar com os danos do ciclone Dineo, que deixou um rasto de destruição na região, no início do ano. Mas o dinheiro ainda não chegou.

 Mosambik Zerstörung duch Zyklon Dineo (DW/L. da Conceicaqo)

Barcos dos pescadores foram destruídos pelo ciclone Dineo, em Inhambane

Os pescadores da província de Inhambane, no sul de Moçambique, dizem que o ciclone tropical Dineo destruiu centenas de barcos de pesca. Por causa da falta do principal material de trabalho, o volume do pescado diminuiu nos últimos meses. Hilário Zacarias, pescador em Chicuque, queixa-se da falta de apoio do Governo.

"Continua o desespero. Não há material, não há panos de vela, perdemos remos. É muita coisa que se perdeu. [A pesca] diminuiu para muita gente, não só para os pescadores, mas também para os comerciantes de pescados, porque esta comunidade aqui depende da pesca. Não tivemos nenhum apoio, apenas apoio teórico, em palavras," descreve o pescador.

Vicente Lourenço também se debate com dificuldades. Este pescador de Inhambane perdeu um barco durante o ciclone e ficou com outro, que deixa entrar água. Vicente Lourenço não tem dinheiro para comprar madeira e arranjar o barco.

"Madeira não tem, dinheiro não tem. Mesmo este barco que está a trabalhar, está a verter muito, não consigo material. Esses do Governo vêm prometer e nunca mais praticam. Está difícil," reclama.

 Mosambik Zerstörung duch Zyklon Dineo (DW/L. da Conceicaqo)

Vendedoras vão à praia a procura de peixe, em Inhambane

Mercado e cofres vazios

Sem peixe, as vendedoras do mercado também têm muita dificuldade em sustentar as famílias, como explica Anita João, vendedora de peixe em Inhambane.

"O meu negócio enfraqueceu, porque muitos barcos ficaram destruídos. Os pescadores já não pescam como antes do ciclone. Por isso é que nós, vendedoras de peixe, estamos a ter dificuldades para sustentar nossas famílias e levar os filhos à escola," lamenta Anita João.

É preciso muito dinheiro para repor os danos do ciclone. De acordo com as autoridades moçambicanas, só o setor da pesca necessita do equivalente a quase 60 mil euros.

Segundo Faustino Miguel, porta-voz da Direção Provincial de Pesca em Inhambane, "o ciclone Dineo afetou, de facto, em grande parte os pescadores. Os danos causados em termo de valor monetário são 4.296.904,00 meticais – incluindo barcos à vela, redes de pesca e o teto dos dois CCP [Conselhos Comunitários de Pesca], que ficaram danificados."

É dinheiro que as autoridades locais não têm, neste momento. Por isso, pedem ajuda ao Governo central, em Maputo.

"O Governo também já acertou com as comunidades pesqueiras de fazer a listagem das pessoas afetadas. Pedimos ao Fundo de Fomento Pesqueiro para alocar o material para dar continuidade," afirma Faustino Miguel.

Ouvir o áudio 02:48

Pescadores e vendedoras de peixe desesperados em Inhambane

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados