1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Pausa na carreira fulminante dos Buraka Som Sistema

Os fãs dos Buraka Som Sistema terão que se consolar com outros projetos futuros dos elementos da banda: para já, e depois de dez anos de carreira, os músicos de sucesso anunciam uma pausa sem fim definido.

A banda Buraka Som Sistema, lançada pela editora “Enchufada”, fez um percurso memorável de dez anos a revolucionar ritmos angolanos como o kuduro e a kizomba. Depois de 800 concertos pelo mundo, Lisboa, onde tudo começou, foi palco de uma recente homenagem ao grupo, que decidiu despedir-se do público e fazer uma pausa no seu trabalho em conjunto. Em amadurecimento está um novo projeto de cariz internacional, a Globaile, que visa congregar todos os anos produções de música eletrónica global para além do eixo Lisboa-Luanda. Ensejo para uma conversa da DW África com Kalaf Ângelo Epalanga, uma das vozes e um dos mentores da banda de sucesso, criada em 2006.

DW África: Em Belém, no desfecho das Festas de Lisboa, a banda despediu-se do público num concerto que demonstrou a popularidade e a fama dos Buraka Som Sistema. Decorridos dez anos de carreira, que avaliação faz do percurso da banda?

Kalaf Ângelo Epalanga (KAE): Foi uma banda que essencialmente focou muito na missão de levar a música da periferia de Lisboa para o mundo. Ou seja, foram dez anos a fortalecer uma identidade musical, a trazer luz para um universo ao qual as pessoas não tinham acesso; e mais ou menos, foi a conquista de um espaço e de um mercado que não equacionava projetos que se expressavam em português. Penso que esse foi o nosso maior legado e, de certa forma, a missão que decidimos executar ou abraçar ao longo destes últimos dez anos.

DW África: É possível destacar o momento alto ou um momento marcante da vossa carreira?

KAE: Tivemos vários momentos altos. Acho que o facto de um projeto como o nosso, de uma editora independente, ter conseguido, a partir do primeiro EP, conquistar mercados fora do universo lusófono para nós foi a primeira conquista mais importante. E sem dúvida que a canção “Yah!” (feat.Petty) marcou esse início, representa o pontapé de saída. Há outros momentos, como tocar no Coachella(Los Angeles, EUA), um festival que até hoje nenhum outro grupo do circuito Lisboa-Luanda voltou a pisar. Tivemos obviamente tournées inesquecíveis e viagens que nos marcaram. Mas eu acho que o facto de termos conseguido a partir de uma ideia, que era trazer a música que ouvíamos em Lisboa para palcos como o Coachella, o Glastonbury, o Roskilde, todos esses momentos foram momentos altos e marcantes. Obviamente tivemos também momentos inesquecíveis dentro de portas. Lembro-me, por exemplo, da última vez que estivemos no “Nos Alive” (2014); acho que é um concerto que toda a gente que esteve presente guarda na memória como um concerto especial. Também logo no primeiro ano da existência do grupo termos conseguido atuar no Festival do Sudoeste foi marcante para nós. Mas os momentos são muitos, é quase impossível agora identificar.

Portugal - Musiker Kalaf von der Band Buraka Som Sistema

Kalaf Ângelo Epalanga, uma das vozes e um dos mentores da banda de sucesso

DW África: Pode-se considerar que os BSS vieram revolucionar a maneira como o público olhava para os ritmos africanos dançantes, fazendo com que estilos como o kuduro e a kizomba também passassem a ser ensinados nos ginásios e clubes de dança?

KAE: Penso que o nosso maior contributo para que o kuduro e a kizomba saíssem obviamente do “gueto” onde estavam inseridos foi que conseguimos dar-lhes um toque “cool”, uma certa sofisticação eletrónica; não que o kuduro ou a zibomba não sejam músicas eletrónicas ou consideradas de produção eletrónica. Mas o facto de conseguirmos pô-las a tocar em clubes como o Lux, ou festivais como o Sonar em Barcelona (Espanha), mostra que era possível trazer essa música para outra realidade. Mas acima de tudo essa música, essa sonoridade, já estava presente na cidade de Lisboa. Nós só acentuámos ou amplificámos um pouco mais, mas em Lisboa já ouvia kuduro e kizomba. Aliás, foi por essa razão que apostámos nesses ritmos e fizemos desses géneros a nossa própria música.

DW África: Entre os espaços geográficos que percorreram, onde acha que os BSS deixaram a sua marca?

KAE: Sem dúvida que Lisboa é a cidade onde a nossa marca é mais visível. Mas olhando para outras cidades europeias como Paris, Buxelas, Munique, por exemplo, onde um grupo chamado Shalat Of Bronx – que vai beber também as sonoridades do kuduro e interpreta à sua maneira aquilo que é a música do eixo Lisboa-Luanda –, isso para nós, sem dúvida, é algo que nos enche de orgulho; ou seja, são coisas que, na primeira fase, à vista desarmada, podiam ser vistas como impossíveis. O facto é que a música é realmente uma linguagem universal e o ritmo consegue atravessar fronteiras e juntar pessoas. Mas penso que Lisboa sem dúvida é a capital da nossa música.

DW África: Nesta linha, Luanda também fez parte da vossa trajetória. Mas não terão sido momentos com grande relevância comparado com aquilo que vimos em palcos europeus ou americanos. Foi quase reduzida a vossa visibilidade em Angola. Qual é a razão?

KAE: Atuámos em Luanda em três ocasiões: as primeiras foram em clubes, ou seja em espaços de ilha. Mas penso que a nossa atuação mais importante foi com uma produção do Luís Montez nos Coqueiros. Atuámos no Estádio dos Coqueiros com vários nomes do kuduro, como Cabo Snoop, e da música popular angolana, como Puto Português e Yuri da Cunha. Esses são os nossos momentos mais memoráveis em Luanda. Obviamente queríamos que tivesse havido mais concertos e que tivéssemos conseguido ir a mais províncias. Mas pelo menos podemos inscrever na nossa biografia três momentos em Luanda. E foram maravilhosos.

Portugal - Auftritt der Band Buraka Som Sistema

A despedida dos Buraka Som Sistema

DW África: No vosso novo projeto, além de Angola, pensam conquistar outros mercados na África lusófona, por exemplo Moçambique?

KAE: Nesta nova etapa das nossas vidas ou das nossas carreiras não tencionamos, não planeamos fazer música nos próximos tempos. Ou seja, é uma pausa. Obviamente não quero usar o termo definitivo, mas ao que tudo indica vamos estar longe da produção musical ativa. É óbvio que a título individual todos os membros do grupo vão continuar, porque estão envolvidos com a música. Além disso estamos juntos de novo a promover aquilo que se espera que seja um festival anual. Aconteceu agora no nosso último concerto em Lisboa. Demos início, ou pelo menos colocámos o primeiro tijolo, da casa que pretendemos construir à volta do conceito Globaile, um festival que tenta trazer para Lisboa as novas coordenadas da música eletrónica global. Ou seja, toda a música eletrónica feita noutras realidades urbanas como Lisboa, Luanda, Caracas, Rio de Janeiro, São Paulo, Joanesburgo, até Paris e Bruxelas. Todas estas cidades têm as suas músicas à margem, têm as suas músicas periféricas, e esse festival tem como intuito trazer para a cidade de Lisboa toda essa realidade cultural. E, bom, esperamos que seja algo que se solidifique primeiro em Lisboa e depois, talvez aí, levar para outras capitais.

DW África: Concluindo, a dinâmica da criatividade em Angola não deixa espaço para expansão de um projeto como o vosso? Ou vão continuar atentos ao que se faz no país?

KAE: Angola é um dos países mais criativos e mais estimulantes no que toca à produção musical. É óbvio que vamos estar sempre ligados a Angola; o facto de na banda estarem elementos, cidadãos angolanos, isso faz com que a nossa ligação musical, cultural, com Angola esteja sempre presente. Acho que não há como vivermos longe disso.

Ouvir o áudio 03:39

Pausa na carreira fulminante dos Buraka Som Sistema

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados