Partido no poder na Libéria contesta resultados das presidenciais | NOTÍCIAS | DW | 29.10.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Partido no poder na Libéria contesta resultados das presidenciais

Partido da União anuncia queixa formal contra a Comissão Eleitoral, alegando fraude nas eleições. Partidos acusam ainda Presidente cessante, Ellen Johnson Sirleaf, de interferência nas eleições.

O partido no poder na Libéria anunciou este domingo uma queixa formal contra a Comissão Eleitoral, no âmbito dos resultados da primeira volta das presidenciais realizada a 10 de outubro, alegando fraude. A queixa é apresentada nas vésperas da segunda volta, marcada para 7 de novembro e que será disputada pelo vice-Presidente Joseph Boakai, candidato do Partido da União, no poder, e a lenda do futebol africano George Weah.

Num comunicado assinado por outros dois partidos, o Partido da União contesta a Comissão Eleitoral, denunciando "fraudes sistemáticas e a grande escala” e apela "a uma conclusão legal lógica o mais breve possível de acordo com a lei da Libéria”.

Vizepräsident Joseph Nyuma in Monrovia Liberia

Vice-Presidente e candidato presidencial do Partido da União Joseph Boakai

O Partido da União anunciou o seu apoio à contestação legal do Partido da Liberdade, do candidato que ficou em terceiro lugar na primeira volta, Charles Brumskine, que pediu à Comissão Eleitoral uma repetição do escrutínio.

"Isto não significa que não vamos participar [na segunda volta]", garantiu Augustine Ngafuan, líder nacional de campanha do Partido da União. "Esperamos que o tribunal decida antes da segunda volta. Se não, vamos decidir o que fazer a seguir”.

Johnson Sirleaf acusada de "interferência”

O documento aponta ainda o dedo à Presidente cessante, Ellen Johnson Sirleaf, também do Partido da União, por "interferir” nas eleições, nomeadamente, devido a uma reunião de carácter privado com funcionários eleitorais realizada na sua residência. O encontro, que teve lugar antes da votação, "constitui claramente interferência no processo eleitoral e não tem qualquer base legal ou justificação”, dizem os três partidos.

Um porta-voz de Johnson Sirleaf recusou comentar as acusações feitas contra a Presidente cessante.

Gambia Staatskrise ECOWAS Treffen Ankunft Ellen Johnson

Presidente cessante da Libéria, Ellen Johnson Sirleaf

Na semana passada, a Comissão Eleitoral garantiu que iria responder à queixas apresentadas sobre as eleições o mais rapidamente possível e afirmou que os partidos poderiam contestar as conclusões da comissão no Supremo Tribunal, se não estivessem satisfeitos.

Observadores internacionais, nomeadamente da União Europeia, afirmam que não se registaram problemas de maior na votação de 10 de outubro.

Joseph Boakai é o o vice-Presidente de Elle Johnson Sirleaf desde que a chefe de Estado assumiu o poder, em 2006. No entanto, a relação deteriorou-se recentemente quando Johnson Sirleaf se recusou a apoiar Boakai, que se distanciou do último Executivo e se apresentou como o candidato da mudança. O ex-jogador de futebol internacional George Weah venceu a primeira volta com 38,4% dos votos contra os 28,8% de Boakai.

Leia mais