Parlamento angolano pretende gastar 70 milhões de euros em novas viaturas | Angola | DW | 25.05.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Parlamento angolano pretende gastar 70 milhões de euros em novas viaturas

Em meio à crise económica, despacho autoriza Assembleia Nacional a celebrar contrato de compra e venda de veículos para os 220 deputados que serão eleitos a 23 de agosto.

O Parlamento angolano prevê gastar quase 70 milhões de euros para comprar novas viaturas para os 220 deputados da IV legislatura, que serão eleitos a 23 de agosto, entre os círculos nacional e provinciais.

Segundo o despacho parlamenta número 3/17, ao qual a agência de notícias Lusa teve acesso, o secretário-geral da Assembleia Nacional está autorizado a celebrar o "contrato de compra e venda de viaturas de marca Lexus, modelo LX 570, de 2017, para os deputados da IV legislatura". 

O despacho, lê-se, autoriza a realização de despesas no montante de 12.934 milhões de kwanzas (69,5 milhões de euros), "para o pagamento das viaturas de uso protocolar".

Crise já reduziu orçamento parlamentar

Em fevereiro, de acordo com a agência Lusa, o Governo angolano cortou em 35 por cento o orçamento da Assembleia Nacional para 2017, aprovado em setembro último pelos deputados, passando agora a ter um teto de 29,2 mil milhões de kwanzas (156,8 milhões de euros). 

Toyota Lexus GX460 (AP)

Viaturas que o Parlamento angolano pretende comprar se assemelham a este Lexus GX460

Angola vive uma profunda crise financeira e económica decorrente da quebra nas receitas com a exportação de petróleo, tendo lançado algumas medidas de austeridade.

A Assembleia Nacional conta desde 10 de novembro de 2015 com um novo edifício-sede, inaugurado pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos, construído em Luanda pela empresa portuguesa Teixeira Duarte e que representou um investimento público superior a 185 milhões de dólares (164 milhões de euros).

Trata-se da primeira fase do denominado Centro Político e Administrativo de Luanda, que começou a ser construído em maio de 2010 e já está em plena utilização por parte dos 220 deputados.

O complexo envolve uma área de 35.867 metros quadrados de escritórios, 11.341 metros quadrados de área global para a assembleia (plenário) e 3.191 metros quadrados para serviços.

Por concluir permanece a segunda fase dos trabalhos, prevendo a construção do edifício que vai receber os gabinetes dos deputados, a cargo de outra empresa portuguesa, a Somague.

Legislatura

Desde outubro decorre a quinta sessão legislativa da III legislatura, a última antes das eleições gerais de 2017, agendadas para 23 de agosto e que vão determinar a nova composição do parlamento e, por via indireta, definir o novo Presidente da República.

O atual chefe de Estado e presidente do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), José Eduardo dos Santos, no cargo desde 1979, não concorre às eleições e anunciou a sua retirada da vida política em 2018.

A Constituição angolana aprovada em 2010 prevê a realização de eleições gerais a cada cinco anos, elegendo 130 deputados pelo círculo nacional e mais cinco deputados pelos círculos eleitorais de cada uma das 18 províncias do país (total de 90).

O cabeça-de-lista pelo círculo nacional do partido ou coligação de partidos mais votado é automaticamente eleito Presidente da República e chefe do executivo, conforme define a Constituição, moldes em que já decorreram as eleições de 2012.

Leia mais