1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Os pais abandonados de Chibok

Há dois anos, os terroristas do Boko Haram raptaram quase 300 meninas de Chibok, no nordeste da Nigéria. A maioria continua desaparecida. Os pais vivem entre o desespero e a ira contra as autoridades.

Dezenas de mulheres e homens rezam debaixo de árvores na aldeia de Chibok. Trata-se de um momento histórico e de grande tristeza: os pais estão reunidos no local do crime pela primeira vez desde que, há quase dois anos, foram raptadas 276 meninas do liceu estatal nesta localidade. Na noite de 14 para 15 de abril de 2014, terroristas do Boko Haram invadiram o dormitório das alunas na altura entre os 16 e os 18 anos de idade. Algumas meninas conseguiram escapar. Mas até hoje desconhece-se o paradeiro de 219 vítimas.

Monica Stover diz que duvida que a sua filha Saraya ainda viva: "Perdi a esperança quando soube do rapto. Não consigo imaginar voltar a ver a minha filha". Como todos os pais, Monica sofre muito com a perda da filha. E como os outros, está também profundamente desiludida com o Governo do seu país: "Ninguém falou connosco. Apenas sabemos o que ouvimos nas notícias” E acrescenta que ninguém ajudou os pais de Chibok: “Só as pessoas que trabalham para fundações como a Murtala Muhammed".

Não desistir de encontrar as meninas

Nigeria Väter beten um die Rückkehr ihrer entführten Töchter in Chibok

Pais nigerianos oram pelo regresso das filhas raptadas em Chibok

A fundação nigeriana Murtala Muhammed facilitou o encontro dos pais e empenhou-se pela comemoração do segundo aniversário do rapto, que se realiza em Chibok na quinta-feira, 14 de abril de 2016. A presidente da fundação é Aisha Muhammed-Oyebode, filha do ditador militar Murtala Muhammed, assassinado em 1976. Muhammed-Oyebode já se encontrou várias vezes com os pais das alunas desaparecidas. Mas é a primeira vez que está na remota aldeia de Chibok, conta visivelmente comovida. Para se deslocar a esta região instável, foi necessário fazer-se acompanhar de uma escolta militar fortemente armada. Mas contra ventos e marés diz: "Vamos continuar a trabalhar duramente para encontrar as meninas. E queremos assegurar o regresso das crianças à escola. Penso que a reconstrução da escola seria um sinal importante".

Imprevidência das autoridades

Nigeria Monica Stover zeigt ein Foto ihrer entführten Tochter Saraya

Monica Stover mostra a foto da sua filha Saraya, raptada pelo Boko Haram

A escola está em ruínas, só sobram os muros. Mas este não foi o único local onde sucederam raptos. Nos últimos anos, milhares de mulheres e raparigas caíram nas mãos do Boko Haram. Ninguém sabe ao certo quantas continuam desaparecidas. O representante dos pais, Yakubu Nkeki, diz que os raptos de Chibok podiam ter sido evitados: "Não havia qualquer segurança para proteger todas estas meninas. Em Chibok estavam estacionados apenas 15 soldados. Mas sabia-se que a região era muito insegura e que 15 soldados pouco ou nada podiam fazer".

Nkeki também critica severamente a política de informação das autoridades. Inúmeras questões permanecem em aberto, diz. E o Governo muitas vezes parece que não sabe o que anda a fazer: "Antes de abril, o Governo disse que, por causa da falta de segurança, todos os alunos deviam regressar para casa dos pais e deixar de ir à escola no Estado federado de Borneo. Duas semanas mais tarde, vieram novas ordens: todas as crianças deviam regressar à escola".

“Que as nossas filhas voltem para casa”

Ouvir o áudio 03:13

Os pais abandonados de Chibok

As alunas de Chibok confiaram na proteção das autoridades. Tal como Saraya Stover pagaram duramente pelo desejo de adquirir uma boa formação, justamente por serem meninas. No final do encontro, a mãe Monica arruma na mala a pequena foto da filha, que leva para todo o lado. Diz que a deixa indiferente o fato de o mundo se preparar para comemorar o segundo aniversário da tragédia: "Isso para nós não é importante. O que queremos é que as nossas filhas voltem para casa".

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados