1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Os desafios do acesso à água em Angola e Cabo Verde

Grande parte da população angolana não tem água canalizada, embora o país seja rico em recursos hídricos. Já Cabo Verde tem carência, mas tem projetos inovadores e audaciosos. Os 2 países têm planos para cada situação.

default

Mulher angolana transportando água à cabeça

Angola possui um enorme potencial em recursos hídricos, mas o défice de acesso à água potável é elevado, reconhece Rui Tito, administrador da Empresa de Águas de Angola (EPAL): "Temos regiões em Angola onde há carência de água, estou a falar particularmente de áreas desérticas, no sul do país e mesmo nas províncias do Cunene e Huíla há áreas onde há carência de água, porque a pluviosidade é bastante baixa e, portanto, é preciso desenvolver grandes projetos para atender a população."

O responsável assume que ainda é grande o desafio para assegurar este precioso líquido a todos.

Segundo Rui Tito "é preciso investir bastante" e prossegue: "Nós EPAL, a nível de Luanda, temos estado a trabalhar nessa direção, os sistemas tem estado a ser construidos e tem de continuar no sentido de garantir que outras pessoas possam ter a possibilidade de acesso a água potável."

Angola Biocom Wasserquellen

Fonte de água, imprópria para o consumo, em Malange, Angola

Previsões de cobertura até 2017 em Angola

Angola está a implementar diversos programas para garantir água potável às populações. Os investimentos públicos lançados pelo Governo visam reduzir o défice no abastecimento, ainda significante numa boa parte das capitais provinciais, sedes municipais e algumas localidades, onde a população tem vindo a crescer.

Só em Luanda, de acordo com o recente censo populacional, poderá ultrapassar os sete milhões de habitantes, precisa o engenheiro Rui Tito: "Isso significa que temos, praticamente, de triplicar a capacidade de produção atual para podermos garantir satisfatoriamente água potável a população."

Rui Tito revela que "o plano nacional de desenvolvimento prevê que até 2017 as áreas urbanas deverão ter uma cobertura de 100% e nas áreas rurais e periurbanas tentar chegar até aos 80% de cobertura."

O Plano Nacional de Desenvolvimento contempla vários projetos, que apesar de financiados pelo Estado angolano, contam com o apoio internacional.

Eine Gruppe von Kindern trägt in Sao Pedro Wasser in Wannen und Kanistern

Crianças cabo-verdianas com bacias de água à cabeça

Carência de água e de meios financeiros

Cabo Verde, que não dispõe de enorme potencial hídrico como Angola, tem recorrido igualmente a financiamento externo para executar programas de melhoria na gestão e abastecimento de água, prevenindo-se contra os ciclos prolongados de seca.

Hércules Vieira, presidente da comissão instaladora da Agência Nacional de Água e Saneamento (ANAS ), revela que "já existe uma estratégia definida, há um plano nacional para o setor da água e saneamento e a ideia é exatamente trabalhar na prevenção, mobilizar todos os recursos possiveis, desde a água subterrânea até a água salinizada e agora águas superficiais com a construção de barragens para a retenção da água das chuvas."

Devido a falta de água no país o problema da sua gestão implica também estratégias sociais, como explica Vieira: "Estamos nesse processo de mobilização da água e ao mesmo tempo sensibilizar a comunidade a fazer uma boa gestão da água. É preciso também governar a água muito bem, e no fundo ter uma outra atitude para com a água em Cabo Verde."

Ko Produktion Kap Verde Wasser

Barragem do Poilão na Ilha de Santiago, Cabo Verde

Saneamento é um problema

O presidente da comissão instaladora da Agência Nacional de Água e Saneamento (ANAS ) explica ainda que "tudo o que é gestão, planificação estratégica e a monitorização da qualidade de água, são as atribuições fundamentais da Agência."

No que diz respeito ao acesso à água, afirma que o país está bem servido: "Aproximamos de 93 a 95% da população com acesso a água. Claro que esse acesso, quando a gente começa a ver por municípios, há alguma disparidade, sobretudo a nível da água da rede pública."

Por isso Vieira defende o seguinte: "É preciso melhorar todo o sistema de abastecimento público. Em termos de água estamos bem servidos, já no sanemanto não podemos dizer a mesma coisa."

As estratégias de Angola e de Cabo Verde foram reveladas à DW África à margem do Congresso Mundial da Água que decorreu de 21 a 25 deste mês de setembro na capital portuguesa, Lisboa, onde países como a Alemanha exibiram algumas das suas tecnologias.

Ouvir o áudio 03:54

Os desafios do acesso à água em Angola e Cabo Verde

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados