Oposição da RDC reunida com Moïse Katumbi na África do Sul | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 10.03.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Oposição da RDC reunida com Moïse Katumbi na África do Sul

Grupos de oposição da República Democrática do Congo (RDC), em conversa com o opositor exilado, tentam forjar uma frente única para concorrer às próximas eleições congolesas, em dezembro.

default

Moïse Katumbi como candidato à Presidência em 2016

Em Joanesburgo, na África do Sul, o líder opositor Moïse Katumbi reuniu dezenas de representantes da oposição da RDC, este sábado (10.03), a fim de traçar uma estratégia para as eleições previstas para 23 de dezembro, que vão substituir o Presidente Joseph Kabila.

"O que nos traz aqui é a rejeição da ditadura que criou raízes em nosso belo país e o desejo de construir um mundo melhor para nossos compatriotas", disse Katumbi aos mais de 100 participantes do encontro de três dias.

"Juntos vamos ajudar a construir a alternativa para o futuro e mostrar aos congoleses que eles não estão sozinhos", afirmou Moïse Katumbi, ressaltando que as condições para eleições credíveis, justas e honestas "estão longe de ser cumpridas".

Apoio ao opositor exilado

Os políticos na reunião de Joanesburgo demonstraram que a maioria dos grupos de oposição apoia o influente líder congolês. "Estamos confiantes. Somos o maior movimento que a RDC terá, nós temos um forte candidato, e se tivermos eleições livres e justas, será possível vencer esta eleição", afirmou Delly Sesanga, um dos líderes da oposição, à agência de notícias AFP.

Moïse Katumbi, um rico empresário e ex-governador da província congolesa de Katanga, presidente do maior clube de futebol da RDC, o TP Mazembe, afirma ter uma popularidade inigualável em todo o país.

Proteste in Kinshasa Kongo

Repressão policial nos protestos contra Kabila em fevereiro deste ano, em Kinshasa

A reunião ocorreu fora da RDC, porque Moïse Katumbi está no exílio, de facto, em Bruxelas, depois de ter sido condenado por contestação num caso imobiliário. Entretanto, o ex-governador disse que retornará ao seu país em dezembro.

Eleições atrasadas e violência

As eleições na RDC devem abrir caminho a uma transferência histórica de poder. Kabila, no entanto, que assumiu o cargo de seu pai Laurent depois de ter sido assassinado em 2001, ainda não declarou claramente o seu afastamento.

A eleição estava originalmente programada para o final de 2016, mas foi repetidamente adiada, gerando a uma onda de violência pelo país. Os protestos contra o Governo tornaram-se mortais nos últimos meses, levando a preocupação internacional de que a violência tome conta do país até as eleições. A violência colocou as autoridades de Kinshasa contra a Igreja Católica, que lidera manifestações contra Governo Kabila.

Leia mais