Oposição angolana insiste no apuramento local dos votos | Angola | DW | 02.08.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Oposição angolana insiste no apuramento local dos votos

Oposição parlamentar angolana continua preocupada com a transparência do processo eleitoral, nomeadamente na questão do apuramento dos votos.

Os líderes dos grupos parlamentares dos partidos da oposição em Angola reiteraram esta quarta-feira (02.08.) a necessidade do escrutínio e apuramento dos votos a nível das assembleias de voto e nos municípios, para conferir maior transparência ao processo.

A posição antecedeu a conferência de líderes, que aprovou a última reunião plenária ordinária da 5.ª sessão legislativa da III legislatura, agendada para o dia 14 deste mês, e a reunião solene de encerramento desta última sessão legislativa da atual legislatura (2012/2017).

Em declarações à imprensa, no final da reunião, o líder da bancada parlamentar da Convergência Ampla de Salvação de Angola - Coligação Eleitoral (CASA-CE), André Mendes de Carvalho "Miau", sublinhou que o processo eleitoral, para as eleições gerais de 23 de agosto, está na sua fase derradeira e era preciso transmitir-se "alguns recados para, de forma informal", passar à Assembleia Nacional.

Mendes de Carvalho eröffnet Wahlkampf der Oppositionspartei CASA-CE (Quintiliano dos Santos)

Mendes de Carvalho da CASA-CE

12.512 assembleias de voto serão instaladas

A Comissão Nacional Eleitoral (CNE) de Angola definiu 12.512 assembleias de voto e 25.873 mesas de voto em todo o país, a serem instaladas em escolas e em tendas, com o escrutínio centralizado nas capitais de província e em Luanda.

André Mendes de Carvalho "Miau" disse que os partidos da oposição já escreveram duas cartas ao Presidente da República, José Eduardo dos Santos, sobre o assunto, mas até à presente data sem resposta.

"Neste momento, porque formos perdendo tempo, o Presidente da República pode jogar a sua influência, no sentido de se lograr uma solução adequada para este problema", referiu.

Para o presidente da bancada parlamentar da CASA-CE, a segunda maior força da oposição angolana, sem o escrutínio e apuramento ao nível das assembleias de voto e nos municípios, "vai haver muitas dúvidas, as pessoas não vão estar suficientemente convencidas de que os resultados que sairão serão justos".

"Por isso estamos a repetir que é preciso que haja o escrutínio e apuramento a nível da assembleia, como do município", disse.

Angola Wahlkampf der Opposition UNITA in Luanda | Isaías Samakuva (DW/B. Ndomba)

Líder da UNITA Isaías Samakuva em campanha eleitoral em Luanda (22.07.2017)

Posição partilhada pelo líder do grupo parlamentar da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), Adalberto da Costa Júnior, que esclareceu que, estando todos os deputados envolvidos na campanha eleitoral, o assunto antecedeu o debate da própria agenda da última sessão plenária ordinária.

Legislatura que termina aquém das expetativas, diz a UNITA

Em jeito de balanço da legislatura que finda, o dirigente da maior força política da oposição angolana considerou que ficou aquém das expectativas, sendo o caso mais relevante a aprovação do regimento da Assembleia Nacional, que limita a ação fiscalizadora do parlamento.

"Este é o elemento triste que tem aqui o punho por inteiro do Tribunal Constitucional", apontou o deputado à Assembleia Nacional, que considerou "um escândalo em absoluto".

Adalberto da Costa Júnior criticou ainda leis aprovadas à última da hora, como o mandato das chefias militares, ressaltando também aspetos positivos como "alguns pequeninos consensos" alcançados na assembleia como a aprovação da Lei das Autarquias e do Poder Local.

Angola Benedito Daniel Präsidentschaftskandidat der Partei PRS (DW/M. Luamba)

Benedito Daniel do PRS

Por sua vez, o líder da bancada parlamentar do Partido de Renovação Social (PRS), Benedito Daniel, fez uma avaliação positiva, apesar de continuar a ser necessário que a Assembleia exerça o seu papel fiscalizador.

"Temos uma Assembleia apenas legisladora, que não cumpre na íntegra o seu papel, e a conjugação dos dois fatores pode fazer com que tenhamos aquela assembleia, que todo o povo deseja e trabalhe para responder aos anseios daqueles que nos elegeram", disse.

 

Leia mais