1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Opiniões sobre as eleições angolanas divergem em Cabinda

FLEC tem apelado ao boicote eleitoral. Raúl Tati, antigo vigário-geral da diocese de Cabinda, acredita que a ida às urnas, em agosto, será marcada por uma abstenção acentuada. Cabindeses estão divididos.

As eleições previstas para agosto em Angola estão a dividir as opiniões em Cabinda. Votar ou não votar? Valerá a pena participar no ato eleitoral? A atual situação política tem levado muitas pessoas a colocar algumas reticências, ao mesmo tempo que os independentistas da Frente de Libertação do Estado de Cabinda (FLEC) têm apelado às populações para que não vão às urnas.

Ouvir o áudio 02:13

Opiniões sobre as eleições angolanas divergem em Cabinda

A DW África quis saber o que pensam fazer os cidadãos de Cabinda nas próximas eleições. Custódio Maria afirma ter intenção de ir votar. "Tenho que votar uma vez que o voto é que faz com que a gente escolha o Presidente ou o partido que vai comandar ou governar o nosso país", explica. Uma opinião também partilhada por Manuel que, em entrevista à DW África, afirmou: "(acho que devo) votar para que haja melhorias no país, mais empregos para os jovens, melhorias nas estradas, ruas, luz,  e muito mais. (Tudo o) que todo o jovem sonha para o seu país". Já Amélia Tati confessa ter feito o registo, mas não saber ainda se irá votar. "Tenho visto que podemos votar mas não há melhorias no nosso país e na nossa província", critica.

"Abstenção acentuada" em agosto?

Raúl Tati, antigo vigário-geral da diocese de Cabinda, acredita que a ida às urnas, em agosto, será marcada por uma abstenção acentuada. Para também académico e ativista cívico, os apelos ao boicote eleitoral que a FLEC tem lançado também podem contribuir para afastar as pessoas das urnas.

Raul Tati Priester aus Cabinda Angola (DW/J. Carlos)

Raúl Tati, antigo vigário-geral da diocese de Cabinda

"Estamos em 2017, creio que a FLEC não terá a mesma chance que teve em 1992, quando conseguiu mesmo boicotar as eleições em Cabinda. Estamos numa situação diferente, mas a verdade é que a FLEC é uma voz que muitos ainda escutam e se continuar a insistir nesses apelos é bem provável que alguma boa franja da população vá ao seu encontro", afirmou.

Os independentistas da FLEC também pediram às populações de Cabinda para denunciarem a compra de votos e o registo ilegal de estrangeiros para votarem no território.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados