1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

OPEP sem acordo e crise do petróleo sem fim à vista

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo, reunida em Viena, não conseguiu chegar a acordo para estabelecer um teto para a produção e estabilizar os preços do crude. Nigéria enfrenta crise de combustíveis.

default

Refinaria de petróleo na cidade de Dhahran, na Arábia Saudita

Reunidos em Viena ontem (02.06), os países membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) não conseguiram chegar a um acordo para estabelecer um teto para a produção e estabilizar os preços do crude. A proposta da Arábia Saudita foi rejeitada pelo Irão, que se opõe a quaisquer tentativas das nações produtoras de petróleo para travar o excesso de produção global.

Os representantes do país consideram que deveria ser permitido aumentar a produção para níveis anteriores à imposição de sanções (entretanto levantadas) pelo Ocidente, em resposta ao programa nuclear iraniano.

Ainda assim, Abdalá El Badri, secretário-geral da OPEP, garantiu na quinta-feira (02.06.) que o mercado petrolífero se está a equilibrar e que os preços devem ser fixados pela oferta e procura. No entanto, considera “bastante difícil” apontar um número para o atual limite de produção.

Ouvir o áudio 03:30

OPEP sem acordo e crise do petróleo sem fim à vista

“Não é segredo nenhum que o Irão quer produzir nas quantidades pré-sanções e temos outro país que está fora do mercado, a Líbia”, afirma El Badri. “Por isso, apontar um número é muito difícil. Mas neste, momento, aquilo que estamos a produzir é razoável para o mercado, o preço está a melhorar. O ambiente é positivo.”

Apesar do fracasso em chegar a um acordo para o limite da produção, o porta-voz da OPEP, Hasan Hafidh, garante que “há um compromisso para garantir um mercado de petróleo estável e equilibrado a longo prazo, tanto para os produtores como consumidores”.

Hafidh não destaca a possibilidade de um novo encontro dos países membros da OPEP. “O secretariado da organização vai continuar a acompanhar os desenvolvimentos nos próximos meses e, se necessário, recomendar aos países membros um novo encontro e novas medidas”, afirmou o porta-voz.

Queda dos preços afeta gravemente países produtores, como Angola

O excesso de produção face à procura de petróleo contribuiu para vários meses de queda dos preços de crude, situação agravada pelo fim do embargo ao Irão.

Recentemente, a cotação subiu e o preço do barril de crude ronda, atualmente, os 50 dólares.

A falta de um consenso quanto à necessidade de regular o preço e a oferta de crude no final do encontro de quinta-feira levou a uma queda imediata nos mercados energéticos.

Para muitos dos países produtores, como é o caso de Angola, o preço atual não é suficiente. Desde o final de 2014 que o país enfrenta uma grave crise financeira e económica, provocada pela quebra de receitas com a exportação de petróleo.

Angola Sitz der Erdölfirma Sonangol

A Sonangol é a principal empresa do setor do petróleo em Angola

Tendo em conta os impactos que a descida do preço da matéria prima teve em Angola, o ministro do Petróleo, José Botelho de Vasconcelos, não hesita em responder que “sim”, quando questionado sobre a vontade de que os preços subam. “No nosso país precisamos de um bom nível de preços. 50 dólares não é mau, mas precisamos de mais”, justificou.

E Angola precisa de muito mais, na opinião dos observadores. Consultoras, especialistas e economistas já deixaram o alerta: a estratégia da OPEP de manter a produção sem cortes vai fazer com que Angola continue a vender crude abaixo do preço necessário para poder equilibrar as contas.

Alves da Rocha, diretor do Centro de Estudos e Investigação Científica de Angola, defende que o país precisa que o barril de petróleo custe 80 dólares, para repor o equílibrio macroeconómico.

José Maria Botelho de Vasconcelos Angola Minister Petroleum

José Botelho de Vasconcelos, ministro do Petróleo de Angola

Dada a grave crise financeira que o país atravessa, o Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, já teve de requerer ajuda ao Fundo Monetário Internacional (FMI), cuja missão já está em Luanda. O grupo de trabalho mantém reuniões para negociar o Programa de Financiamento Ampliado solicitado pelo Governo angolano para diversificar a economia nacional, de modo a dimininuir a dependência do petróleo.

Nigéria enfrenta crise de combustíveis

A Nigéria é o maior produtor de petróleo em África, mas as suas dificuldades em refinar a matéria prima fazem com que esteja muito dependente da importação. Isto está a consumir as reservas cambiais nigerianas, cada vez mais escassas devido à queda dos preços do petróleo.

O país atravessa uma grave crise económica e, com 170 milhões de habitantes, a Nigéria deverá verificar um crescimento económico de apenas 2%, com a inflação a manter-se perto dos 14%.

A ministra das Finanças, Kemi Adeosun, diz que o principal problema do país é a falta de diversidade na economia e que é preciso alterar urgentemente essa situação. “Quero poder dizer, daqui a alguns anos, que o preço do petróleo já não nos interessa. O que a OPEP faz também não. Nós queremos uma economia que não seja dependente do petróleo”, afirma a ministra.

Sucessivos governos têm prometido focar-se nas potencialidades do país, em setores como a indústria e a agricultura, para reduzir as importações, mas sem sucesso. O Presidente Muhammadu Buhari pretende mudar isso.

“A Nigéria importa praticamente tudo, do arroz à pasta dentífrica. Mas quando não temos dinheiro suficiente para importar tudo, porque devemos desvalorizar a nossa moeda?”, questiona Buhari.

Nigeria Port Harcourt Arbeiter auf Plattform Ölförderung

Apesar de ser o principal produtor de petróleo em África, a Nigéria tem poucas condições para refinar a matéria prima

Queda da naira agrava crise

Com a queda da naira face ao dólar, muitos analistas apelam a uma desvalorização da moeda nigeriana. As empresas queixam-se que o Banco Central não quer disponibilizar divisas para a importação de bens de primeira necessidade, mas o Governo tem receio de que as reservas sejam usadas muito rapidamente.

O preço da gasolina subiu em 70% depois do corte dos subsídios, uma situação que afetou muitos nigerianos. Atos de sabotagem contra oleodutos e instalações de produção no sul do país fizeram a produção cair para cerca de 1,6 milhões de barris por dia. É o valor mais baixo desde meados da década de 90, mas o Orçamento do Estado da Nigéria baseia-se na produção de 2,2 milhões de barris por dia.

Não há uma solução rápida para problemas tão complexos. O país está em choque com a queda do preço do petróleo. “Este choque não é de curto prazo, ele vai continuar. Portanto, as consequências serão sentidas por um longo período. E, por isso, são necessários ajustes globais e coerentes”, afirma Gene Leon, do FMI.

Ouvir o áudio 02:31

Nigéria enfrenta crise de combustíveis

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados