1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

ONU quer missão para investigar violência no Burundi

Numa resolução apresentada ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra, é pedido o envio de investigadores das Nações Unidas para averiguar assassinatos e outros abusos no Burundi. Generais vão a julgamento.

O projeto de resolução redigido pelos Estados Unidos, que será considerada na próxima quinta-feira (17.12), "lamenta o ressurgimento da violência e um preocupante aumento drástico em violações dos direitos humanos e abusos nas últimas semanas".

Além de solicitar o envio de investigadores da ONU para o Burundi para averiguar abusos, incluindo o uso de munição real contra manifestantes e "assassinatos dirigidos", o projecto de resolução também que o Governo burundês coopere com os esforços de paz liderados regionalmente.

Na segunda-feira (14.12), mais de duas dezenas de generais e oficiais superiores do exército do Burundi, acusados d​​e estarem por trás de um golpe de Estado fracassado em maio, foram a julgamento.

O ex-ministro da Defesa Cyrille Ndayirukiye e outros cinco generais estão entre as 28 pessoas que encaram o tribunal pelo seu papel na tentativa de golpe em maio, quando o Presidente Pierre Nkurunziza estava no exterior - golpe que foi rapidamente frustrado.

Diálogo interno

Em Bruxelas, a chefe de Política Externa da União Europeia (UE), Federica Mogherini, disse temer que a violência se alastre na região. "Estamos em contacto com a liderança da União Africana (UA) para facilitar o diálogo interno no Burundi liderado pela própria região. Também preparamos algum apoio financeiro para facilitar esse diálogo. E é urgente que comece imediatamente, porque temos que parar a violência".

Burundi Gewalt und Tote

Bujumbura, a capital do Burundi, volta a ser palco de confrontos

Em entrevista à DW África, Yolande Bouka, analista do Instituto de Estudos de Segurança de Nairobi, questionou a atuação do atual mediador da UA para o Burundi, o Presidente do Uganda, Yoweri Museveni.

O especialista também sugeriu um novo modelo para as negociações de paz no país. "Uma forma pela qual a mediação poderia ser mais útil é ter uma presença mais forte de uma liderança mais forte da UA e possivelmente alguns dos países chave poderiam ajudar a alcançar o cumprimento do Acordo de Paz de Arusha, assinado há alguns anos".

Pior surto de violência

Cerca de 90 pessoas foram mortas na sexta-feira (11.12), naquele que já é considerado o pior surto de violência no Burundi desde um golpe fracassado em maio. Segundo o exército, homens armados atacaram três instalações militares na capital do Burundi, o que provocou um dia de confrontos em toda a cidade.

A violência foi apenas o mais recente de uma série de tiroteios, explosões e assassinatos. O Burundi está tomado pela violência entre a polícia e insurgentes armados desde abril, quando o Presidente, Pierre Nkurunziza anunciou que iria concorrer a um terceiro mandato. Ele ganhou a eleição de Julho, que foi boicotada pela oposição.

Ouvir o áudio 03:16

ONU quer missão para investigar violência no Burundi

Na semana passada, a UA enviou uma missão de observação dos direitos humanos ao país. "A nossa opinião preliminar é de que houve violações dos direitos humanos, como mortes e prisões arbitrárias, questões de impunidade e tudo isso tem levado a uma tensão na situação social e económica no país", afirma a chefe da missão, Pancy Makula.

Até agora, mais de 200 mil burundeses fugiram da violência para os países vizinhos. O Burundi acusou o Ruanda de permitir que rebeldes recrutem refugiados burundeses no seu solo, uma acusação negada por Kigali.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados