1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

ONU pede "contenção" ao Governo congolês em protestos contra Kabila

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou à "contenção" das forças de segurança da República Democrática do Congo, onde pelo menos oito pessoas morreram no domingo e cerca de cem foram detidas.

Num comunicado divulgado por um porta-voz em Nova Iorque, António Guterres apelou "ao governo e às forças nacionais de segurança para que deem provas de contenção e para que respeitem os direitos do povo congolês no que diz respeito à liberdade de expressão e [ao direito] de se manifestar pacificamente".

Pelo menos oito pessoas morreram no domingo (31.12) e uma centena de outras foram detidas na sequência de manifestações de católicos contra a permanência no poder do Presidente Joseph Kabila, que na mensagem de Ano Novo dirigida aos congoleses foi omisso quanto à sua eventual saída da Presidência.

Kabila assegurou que a publicação do calendário de atividade política na RDC - que prevê a realização de presidenciais a 23 de dezembro de 2018 - "conduz de forma irreversível à organização de eleições".

No entanto, os católicos congoleses manifestaram-se no domingo porque um acordo - assinado há um ano sob a égide dos bispos locais - previa a realização de eleições no final deste ano, com vista à saída de Kabila, cujo mandato terminou em dezembro de 2016.

O Presidente não referiu o acordo político, mas abordou a questão das manifestações, apelando para a "vigilância" para "bloquear o caminho de todos aqueles que desde há muitos anos se servem do pretexto das eleições, e que hoje se sentem tentados a recorrer à violência para interromper o processo democrático em curso e fazer com que o país mergulhe no desconhecido".

Kongo Kinshasa Proteste

Protesto anti-Kabila em Kinshasa (31.12.2017)

Respeitar acordo político

Na sua nota, Guterres foi explícito quanto a esta questão: o Governo da RDC deveria estar empenhado em respeitar o acordo com os bispos e realizar eleições. O secretário-geral da ONU "exortou todos os atores políticos congoleses a que continuem plenamente empenhados na aplicação do Acordo Político de 31 de dezembro de 2016, que continua a ser o único caminho viável, antes de eleições, para uma alternância pacífica do poder e para a consolidação da estabilidade na República Democrática do Congo".

A polícia congolesa deu conta de três civis mortos em Kinshasa, enquanto o governo anunciou que um polícia foi morto na capital. As forças de segurança congolesas dispersaram - inclusivamente usando gás lacrimogéneo - grupos de pessoas que pretendiam manifestar-se contra o poder.

Em Kananga, na região do Kasaï (centro), um homem foi morto a tiro por militares que abriram fogo sobre os católicos, que marchavam contra o Presidente Kabila.

Além do aparato policial e militar nas ruas, as autoridades cortaram ruas e também o acesso à Internet, numa tentativa de sufocar os protestos e as "marchas pacíficas" contra o chefe de Estado. Kabila está no poder desde janeiro de 2001, após o assassínio do seu pai, Laurent-Désiré Kabila, em plena guerra civil no país.

Leia mais