1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

ONGs angolanas exigem justiça no caso do inocente morto por militar

Ainda não se sabe exatamente o que aconteceu no estádio de futebol de Cafunfo, Angola, no último final de semana. Mas uma criança morreu, vítima de um tiro de um sargento. A sociedade civil exige esclarecimentos.

default

Pistola Glock 9MM

Um sargento das Forças Armadas Angolanas, alvejou uma criança de 12 anos no último sábado (14.o9.) com um tiro de pistola no abdomén ao celebrar o golo de empate do clube militar 1° de Agosto contra o kabuscopr F.C. na vila de Cafunfo, Município de Cuango.

A DW África ouviu a diretora adjunta da Open Society em Luanda, Katila Pinto de Andrade, que afirma não conhecer todos os meandros que envolve esse infortúnio e acredita que não se trata de impunidade, mas sim de negligência: "Eu não usaria a expressão impunidade em Angola, eu usaria mais a expressão falta de atenção, falta de cuidado."

De acordo com Katila Pinto de Andrade, a organização a que pertence tomou conhecimento dessa notícia através das redes sociais, e por isso justifica: "A noticia não estão suficientemente bem desenvolvida para nos permitir tirar a ilação de que se trata de um caso de intolerância."

Mas pelos dados que a Open Society têm em mãos leva a sua diretora a supor "que tenha sido um acidente pelo uso negligente de uma arma de fogo e que infelizmente custou a vida de uma criança de 12 anos."

Polizei löst Demonstration in Lubango auf

Polícia durante uma manifestação no Lubango. Nestes contextos ela é considerada repressiva

A quantas anda a polícia angolana?

Katila Pinto de Andrade mostra-se incrédula perante esse ato do militar: "Do nosso lado o que nos preocupa realmente é como é que um oficial das forças de segurança no fundo pratica um ato desta natureza festejando com disparos provenientes de uma arma de fogo o golo de uma equipa de futebol ?."

E por isso a diretora da Open Society levanta uma dúvida: "É grave, é muito grave e o que nos preocupa é saber se as forças de segurança tem estado a fazer um trabalho de consciencialização junto dos seus agentes de forma a elucidá-los sobre o uso das armas de fogo."

Os Municípios de Cuango e Cafunfo são conhecidos como palcos de violência sistemática originada por militares e guardas de empresas privadas de segurança contra civis indefesos e isso pode, sim, criar algum clima de instabilidade conta Katila Pinto de Andrdade: "Acredito que pelo fato de existirem algumas informações de violência de agentes dos serviço de segurança naquela região obviamente que acaba por criar um clima de instabilidade, um clima de que também algumas pessoas que fazem e desfazem acabam por nunca receber o respetivo castigo."

Apesar das deconfianças a diretora da Open Society afirma que é preciso apurar os fatos. Sobre o polícia-militar em causa, Katila Pinto de Andrade garante: "Ao que sabemos até agora e pelas notícias também que fomos lendo na internet, o ofical encontra-se detido neste momento, obviamente que vamos também fazer o acompanhamento deste caso , procurar saber mais informações e que desfecho que o mesmo terá."

Afrika Cupa Angola Fans

Adeptos angolanos durante o CAN 2012

Responsabilização

A DW África ouviu também a diretora administrativa da ONG JPD, Justiça, Paz e Democracia, Lúcia da Silveira, que fala sobre o papel da JPD neste tipo de caso e incita a população civil a manifestar-se contra o ato: "Todas as questões de violação de direitos humanos que chegam ao nosso conhecimento, damos a conhecer às intituições aqui a nível interno e obviamente também fazemos essas questões chegar às organizaçõees africanas que tem a responsabilidade de recomendar ao Governo para cumprir com a lei, este é o papel da JPD e vamos continuar a cumpri-lo."

Para a representante desta ONG a sociedade civil e a sociedade angolana no geral devem levantar a sua voz relativamente a este ato e justifica: "Tendo em conta que há anos que temos estado a falar sobre a importância de desarmar a população civil, mas também para as pessoas que tem autorização para usar armas a usá-las de forma responsável."

Lúcia da Silveira exige responsabilidades aos angolanos: "É importante a sociedade saber o que se passa e também tomar uma posição diante dessa atitude. É preciso que as Forças Armadas tomem uma posição e principalmente que responsabilizem este sargento."

Ouvir o áudio 03:20

ONGs angolanas exigem justiça no caso do inocente morto por militar

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados