1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

ONG alemã quer reduzir índice de analfabetismo em Moçambique

Em projeto da DVV International, alunos aprendem não só a ler e escrever, mas também como abrir pequenos negócios e investir em agricultura. Governo moçambicano quer reduzir taxa de analfabetismo para 41% até 2019.

default

Mulheres são as mais afetadas pelo analfabetismo em Moçambique

É fraca a mobilização para alfabetizar e educar adultos em Moçambique. Para combater esse problema, a organização não-governamental alemã Deutscher Volkshochschul-Verband (DVV Internacional) está a fomentar o ensino básico e a desenvolver atividades de geração de rendimentos para autossustento.

O professor Carlos Fortunato é voluntário e desdobra-se em esforços para ensinar os alunos a ler, escrever e fazer contas. "Foi um grande desafio ter que trabalhar com eles, mas a força de vontade de trabalhar foi maior. A abertura que eles tiveram permitiu que possamos produzir alguma coisa em conjunto", diz. 

Augusto Macicane, von DVV International

Augusto Macicane: "Queremos criar condição mínimas para que as pessoas arranjem trabalho"

Até 2019, as autoridades governamentais moçambicanas querem reduzir o índice de analfabetismo para uma média nacional de 41%. Após 40 anos de independência,  quase metade da população moçambicana (44,9%) é analfabeta.

Foi a pensar nisso que a DVV International introduziu um projeto integrado que se iniciou em duas províncias. Em Maputo, no sul de Moçambique, e Sofala, no centro, Augusto Macicane, daquela organização, não quer apenas dar a instrução mínima. "Mas também programas que ajudam as pessoas a ter autossustento. Especificamente, nestas duas províncias temos projetos na área da agricultura e de pequenos negócios", explica.

É desenvolvendo estas atividades integradas que se limita a desistência dos alfabetizandos. Conseguir utilizar o telemóvel também incentiva os estudantes. "As pessoas estão interessadas em saber mandar e ler uma mensagem do telefone. Mas, acima de tudo, as pessoas estão mais interessadas em ver as suas vidas melhoradas, através do saber fazer, por exemplo, na agricultura e pequenos negócios", afirma.

Parceria

A DVV International trabalha com o Ministério da Educação de Moçambique no apoio ao desenvolvimento curricular. "Para a formação de profissionais educadores de adultos, para criar condições mínimas para que as pessoas interessadas em trabalhar nesta área consigam alcançar esse objetivo", diz Augusto Macicane.

Ouvir o áudio 03:25

ONG alemã quer reduzir índice de analfabetismo em Moçambique

O Governo, por seu turno, refere que os programas desenvolvidos pela DVV International surtiram efeitos desejados. O chefe de Departamento de Organização e Gestão Escolar, Davide Uamusse, não tem dúvidas para os próximos três anos.

"Já elaborámos a estratégia de alfabetização e educação de adultos e o respetivo plano operacional. Desenvolvemos um plano de formação de educadores e capacitação de alfabetizadores e, neste momento, estamos a desenvolver um programa integrado que está a suprir um défice que tínhamos", observa.

A maior preocupação do executivo neste momento é elaborar programas adequados à realidade de cada meio onde está inserido o alfabetizando. "Direcionamos os programas na perspectiva de que eles sejam relevantes para as populações e que respondam aos seus anseios. Quer dizer, uma alfabetização que proporcione habilidades para melhor integrar-se na sociedade", acrescenta.

As províncias da Zambézia, no centro, e Nampula, no norte, são as mais populosas de Moçambique e oconcentram o maior número de centros de alfabetização. No entanto, é também onde se registam as mais elevadas taxas de analfabetismo.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados