1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Observatório de Desenvolvimento de Moçambique na mira das críticas

Ao Observatório de Desenvolvimento, que integra o Governo e organizações da sociedade civil em Moçambique, compete fiscalizar a implementação de planos sociais e económicos. Mas há quem critique o seu desempenho.

O Observatório de Desenvolvimento em Moçambique não está a responder às inquietações dos cidadãos no que diz respeito aos planos locais de desenvolvimento. O fórum, criado em 2014, foi concebido como um controlo da implementação dos planos económicos e sociais aprovados pelo Executivo moçambicano. Mas o observatório parece estar longe de responder às inquietações da sociedade civil.

Egas Daniel, do Grupo Moçambicano da Dívida, entende que o observatório, com encontros reguladores, poderia influenciar as políticas, mas: “Este espaço não está a ser aproveitado. Não se realiza o Observatório de Desenvolvimento desde o ano passado e este ano o observatório de balanço a nível central não foi realizado.”

Maior participação necessária

Jorge Matine

Jorge Matine, do CIP, é uma das vozes críticas

O Fórum exige que seja mantida a produção de um guião de orientação para manter o diálogo entre as partes, visando promover o desenvolvimento, diz Egas Daniel: “Poderia sim maximizar a participação da sociedade civil na influência da planificação de políticas.”

O CIP, Centro de Integridade Pública de Moçambique, defende mais transparência na planificação, para a sustentabilidade do Fórum, diz o investigador Jorge Matine: “Penso que é preciso melhorar e tentar fazer o máximo possível no ciclo orçamental e de planificação. E que seja consentâneo, porque nós sentimos que as províncias não estão a divulgar a informação sobre o ciclo orçamental.”

Processo complicado

Mosambik Sociedade civil reunida

Reunião dos representantes da sociedade civil

A mudança de quadros nas instituições do Estado tem travado as intenções da sociedade civil. Segundo Jorge Matine, por vezes, quando uma planificação já está bem avançada, um novo dirigente altera-a: “Este é o ponto importante. Achamos que é preciso formalizar estes espaços de planificação. Que fique bem claro quando é que acontece, como a sociedade civil deve interagir e quando é que os documentos estão disponíveis, para recolhê-los e analisá-los e depois ter um debate amplo e aberto com o Governo.”

Cristina Matusse, diretora nacional adjunta de Planificação e Orçamento, afirma que a não inclusão da sociedade civil nas sessões de planificação tem a ver com as várias etapas pelas quais ela passa. Depois dos setores, as províncias e os distritos submeterem a sua planificação ao Ministério da Economia e Finanças “este começa com o processo de consolidação da informação que culmina com a apresentação da proposta do Plano Económico e Social na Assembleia da República.”

Ouvir o áudio 03:07

Observatório de Desenvolvimento de Moçambique na mira das críticas

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados