1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Observadores internacionais para cessar-fogo em Moçambique?

Mediadores das negociações de paz em Moçambique propuseram ao Governo e à RENAMO a presença de observadores internacionais em todos os pontos de conflito para uma suspensão das hostilidades.

default

Estrada cortada por homens armados na Província de Tete (abril de 2016)

"Uma vez acordado na comissão mista, o Governo moçambicano convidará os países vizinhos e amigos que estejam disponíveis a mobilizar e enviar, o mais cedo possível, o pessoal necessário para a missão de verificação internacional", refere um documento dos mediadores, com data de quarta-feira, distribuído esta quinta-feira (25.08) aos jornalistas em Maputo.

A proposta prevê que a suspensão das hostilidades entre em vigor com a chegada dos observadores aos locais onde decorrem ações militares, incluindo em Gorongosa, onde presumivelmente se encontra o líder da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), Afonso Dhlakama.

O documento foi apresentado na ronda negocial de quarta-feira (24.08) às delegações do Governo e da RENAMO, que voltaram a não chegar a acordo sobre um cessar-fogo e as conversações estão suspensas até 12 de setembro.

Mosambik Maputo Präsident Filipe Nyusi

Presidente de Moçambique Flipi Nyusi

Segundo um comunicado conjunto lido no fim da reunião de quarta-feira, a RENAMO aceita uma trégua temporária para facilitar a deslocação dos mediadores internacionais à Gorongosa, mas coloca como condição o afastamento das Forças de Defesa e Segurança da região.

A delegação do Governo considera, por seu lado, que as Forças de Defesa e Segurança "cumprem em todo território uma missão de Estado constitucionalmente consagrada" e argumenta que "é a suspensão imediata das hostilidades militares que vai garantir a segurança do corredor" a estabelecer para a viagem dos mediadores.

“Corredor desmilitarizado”

Auto-Konvoi Mosambik

Militares escoltam coluna de viaturas civis na N7 (junho de 2016)

Na proposta os mediadores sugerem que as partes aceitem "um corredor desmilitarizado ou outra forma mais segura e eficaz" para que possam avistar-se pessoalmente com Afonso Dhlakama, "a partir do momento em que a suspensão das hostilidades for acordada".

A organização deste corredor, segundo os termos do documento, caberia a um grupo de trabalho específico, com a presença dos mediadores, que poderia ainda posteriormente estabelecer as condições para um cessar-fogo permanente.

"O 'working group', uma vez que a suspensão das hostilidades e todo o tipo de violência seja respeitada por ambas as partes, poderá propor à comissão mista um calendário de etapas posteriores para criar os termos e as condições de um cessar-fogo permanente", refere ainda o texto dos mediadores.

Pacote legislativo sobre descentralização continua a ser preparado

Os trabalhos da comissão mista foram suspensos até 12 de setembro, mas a subcomissão constituída para preparação de um novo um pacote legislativo sobre descentralização continuará a trabalhar.

Mosambik RENAMO Afonso Dhlakama

Afonso Dhlakama,líder da RENAMO

Entre os pontos a serem avaliados pela subcomissão, destacam-se a revisão pontual da Constituição da República, das leis das assembleias provinciais e de bases da organização e funcionamento da administração pública, bem como uma nova lei das finanças provinciais.

Situação permanece tensa no centro do país

Na região centro de Moçambique persistem relatos de confrontos entre o braço armado da RENAMO e as Forças de Defesa e Segurança e denúncias mútuas de raptos e assassínios de dirigentes políticos das duas partes.

As autoridades moçambicanas acusam a RENAMO de uma série de emboscadas nas estradas e ataques nas últimas semanas, em localidades do centro e norte de Moçambique, atingindo postos policiais e também assaltos a instalações civis, como centros de saúde ou alvos económicos, como comboios da mineira brasileira Vale.

Alguns dos ataques foram assumidos pelo líder da oposição, Afonso Dhlakama, que os justificou com o argumento de dispersar as Forças de Defesa e Segurança, acusadas de bombardear o lugar onde supostamente se encontra, algures na serra da Gorongosa.Províncias onde a Renamo ganhou nas eleições de outubro de 2014.

Províncias onde a Renamo ganhou nas eleições de outubro de 2014 POR

Províncias onde a RENAMO ganhou nas eleições de outubro de 2014

A RENAMO exige governar em seis províncias onde reivindica vitória nas eleições gerais de 2014, acusando a Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo, no poder há mais de 40 anos) de ter cometido fraude no escrutínio.

Leia mais