O que aconteceu após os confrontos de Mandimba, em Moçambique? | NOTÍCIAS | DW | 19.10.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

O que aconteceu após os confrontos de Mandimba, em Moçambique?

Presença da Força de Intervenção Rápida (FIR) não inspira total confiança no seio da população de Mandimba, na província moçambicana do Niassa. Quatro pessoas morreram em confrontos contra a polícia.

Mosambik Mandiba Niassa - Einschusslöcher in Wand (M. David)

Sede da polícia em Mandimba

Depois dos recentes distúrbios, em que a população de Mandimba se insurgiu contra a inoperância da policia, a poeira assentou. Porém, em vez de levar tranquilidade à região, a presença das Forças de Intervenção Rápida (FIR) provocou um certo medo no seio da população, sobretudo à noite.

Segundo constatou a DW África no local, é possível notar pelas ruas que a FIR não inspira total confiança entre as pessoas que, a 2 de outubro, se revoltaram contra a polícia, incendiando a casa do comandante. Na altura quatro populares morreram nos confrontos.

Um residente em Mandimba, que preferiu não se identificar por questões de segurança disse à DW África que a circulação pode ser chamada de normal, porque não há um alerta de que a população não possa circular à vontade.

Ouvir o áudio 02:44

O que aconteceu após os confrontos de Mandimba, em Moçambique?

"Nós estamos a circular, embora com uma determinada limitação por causa da unidade de intervenção rápida que se encontra aqui em Mandimba. Não tem feito muitas vezes o seu trabalho de patrulha, e muitos de nós sabemos que a intervenção rápida é famosa naquele aspeto de chambocar (bater nas pessoas). Então, porque os populares temem situações do género preferem não sair de casa. Esta situação já está a afetar os alunos e funcionários, que têm que frequentar aulas à noite e ir para o trabalho. Na primeira semana depois daquele incidente não houve frequência dos alunos nas escolas”, disse o residente em Mandimba, que preferiu não se identificar.

Esse sentimento de uma acalmia aparente é também partilhado por Domingos Singoia, outro residente em Mandimba. "Depois dos confrontos, e para acalmar a população, as autoridades nomearam um outro comandante da PRM, o chefe das operações e todos os guardas de fronteira deixaram a função. Agora o ambiente é calmo e pelo menos não há agitação. Até quase as 20h tudo fica calmo e não se vêm muitas pessoas nas ruas”.

Momento delicado

Com a remodelação da corporação no distrito fronteiriço, o porta-voz da polícia no Niassa, Alves Mate, espera salvaguardar o nome da Polícia de República de Moçambique.

Mosambik Mandiba Niassa - Strassenszene (M. David)

Ruas de Mandimba pouco frequentadas devido à insegurança

"A situação da ordem e segurança públicas naquele ponto da província mantém-se calma e estável. É verdade que tivemos que tomar certas medidas e fomos obrigados neste caso a substituir o comandante e o chefe das operações e da polícia de fronteira, isto para preservar a sua integridade física, visto que as suas vidas estavam a ser ameaçadas, porque eram considerados inoperantes pela população”.

Questionado se a policia já encontrou o criminoso que tirou a vida ao cambista, Alves Mate afirmou que esforços estão sendo envidados no sentido deste caso ser esclarecido. "Não só este homicídio, mas os restantes casos que têm ocorrido naquele distrito”, concluiu.

Segundo a polícia, quatro pessoas foram detidas, por suspeita de terem sido cabecilhas da manifestação. Recorde-se que quatro pessoas morreram e seis ficaram gravemente feridas nos confrontos entre a polícia moçambicana e a população de Mandimba, no início deste mês.

As vítimas foram atingidas por balas perdidas, disparadas por elementos da polícia, que alegadamente se defendiam de um ataque da população às instalações.
A morte de um cambista informal motivou a revolta da população contra a polícia, que julga estar envolvida no crime.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados