1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Novos confrontos militares na Gorongosa provocam pelo menos um morto

Na madrugada desta quarta-feira (17.02) vários homens armados atacaram um posto de controlo na província de Sofala, Moçambique. União Europeia quer o fim imediato dos ataques e está preocupada com a situação no país.

default

Militares a caminho da Gorongosa em 2013

Por volta da uma hora da madrugada desta quarta-feira (17.02), um grupo de homens armados atacou um posto de controlo misto das forças de defesa e segurança na vila de Gorongosa, província de Sofala, em Moçambique.

Há registo de pelo menos um morto no grupo de atacantes. No entanto, Manuel Jamaca, administrador de Gorongosa, disse, em declarações à Lusa, que se registou também um morto pertencente às Forças de Defesa e Segurança (FDS), que ainda não foi confirmado pela porta-voz das FDS. A polícia atribuiu este ataque ao braço armado da RENAMO, o maior partido de oposição em Moçambique.

O ataque provocou também um número indeterminado de feridos. Sididi Paulo, porta-voz do comando provincial em Sofala explicou o ataque à imprensa.
“Hoje (17.02), homens armados da RENAMO, no posto de controlo rodoviário que fica localizado na entrada da vila sede de Gorongosa, atacaram as Forças de Defesa e Segurança que prontamente responderam aos tiros. Podemos avançar que foi morto um homem armado da RENAMO”, afirmou.

Mosambik Zusammenstöße RENAMO Rebellen mit Polizei

Guerrilheiros da RENAMO a treinar na Gorongosa (Novembro 2012)

"Situação no local continua calma"

Sididi Paulo disse ainda que a situação no local está já controlada e garantiu que tudo voltou à normalidade tanto no seio das populações bem como nas Forças de Defesa e Segurança: “As FDS continuam no terreno a fazer avaliação dos danos. A situação no local continua calma e controlada".

Não foram avançados detalhes sobre a intenção dos homens armados.

O posto alberga elementos da polícia de proteção, polícia de trânsito, polícia de fronteiras e forças de defesa e segurança e foi instalado na localidade nos primeiros meses de 2013 aquando do início da tensão político-militar na região. A instalação deste posto tinha por missão fiscalizar pessoas e viaturas que circulavam nesta zona durante o período em que as forças do exército moçambicano e elementos armados da RENAMO se confrontavam na zona montanhosa de Gorongosa, habitual refúgio de Afonso Dhlakama, líder da RENAMO.

RENAMO ainda não reagiu

A DW África tentou ouvir a reação da RENAMO mas sem sucesso. O chefe do maior partido da oposição na região, Horácio Calavete, não é visto em público desde o anúncio da criação de postos de controlo ao longo de algumas estradas da região centro de Moçambique.

Mosambik Anschlag gegen Oppositionsführer Afonso Dhlakama

Viatura queimada no ataque contra a caravana do líder da RENAMO em Manica, Moçambique (26.09)

Na última segunda-feira (15.02) um chefe do círculo da FRELIMO em Nhamatanda, província central de Sofala, foi morto a tiro por alegados homens da RENAMO, um dia depois de Manuel Domingos Fortunato, membro da assembleia provincial pela bancada da RENAMO, reaparecer em público. Segundo afirmou, foi raptado por elementos do GOE, Grupo Operativo de Emergências, da polícia moçambicana.

Na passada semana, foram também atribuídos à RENAMO ataques a viaturas civis nas principais estradas do centro de Moçambique. Afonso Dhlakama, líder da RENAMO, que não era visto desde outubro, reapareceu também na passada quinta-feira (11.02) numa base da RENAMO na Gorongosa.

Recorde-se que a RENAMO prometeu começar a governar nas seis províncias onde venceu as eleições de 2014 já no próximo mês de março e especula-se o que poderá acontecer até lá. Observadores notam que a tensão tende a aumentar com sucessivos ataques protagonizados, alegadamente, por homens armados da RENAMO.

Filipe Nyusi, presidente moçambicano já demonstrou disponibilidade para negociações. No entanto, o líder da RENAMO diz que só dialogará depois de tomar o poder em seis províncias do norte e centro do país, onde o seu movimento reivindica vitória nas eleições gerais de 2014.

União Europeia preocupada

A União Europeia (UE) demonstra preocupação com a situação de “deterioração geral” da política e de segurança em Moçambique e reinvindica o fim imediato dos ataques alagadamente atribuídos à RENAMO no centro do país, declarou fonte diplomática comunitária à LUSA.

Federica Mogherini, alta representante da EU para os Negócios Estrangeiros considerou ainda que os ataques prejudicam gravemente a segurança dos cidadãos e que estão também a manter estudantes fora das escolas e a levar milhares de pessoas a fugir para o vizinho Malawi. Assim, apela a que os autores dos ataques “parem imediatamente” com a violência.

Ouvir o áudio 02:46

Novos confrontos militares na Gorongosa provocam pelo menos um morto

Mogherini lamenta ainda que não tenham sido tornados públicos os resultados das investigações ao atentado contra o secretário-geral da RENAMO, Manuel Bissopo, a 20 de janeiro, na Beira, bem como dos ataques envolvendo a comitiva do líder da oposição, Afonso Dhlakama, em setembro, na província de Manica.

Do mesmo modo, apela para que se investiguem os casos que têm vindo a ser tornados públicos de raptos e assassínios de membros da RENAMO.

Federica Mogherini irá visitar Maputo no dia 24 de fevereiro onde se reunirá com as autoridades moçambicanas.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados