1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Novos ataques do Boko Haram ocupam as páginas da imprensa alemã

Além da impotência do governo em combater os extremistas, o clima de medo na Nigéria é destaque nos jornais da Alemanha. A nova onda insurgente no Mali também foi coberta.

O Frankfurter Allgemeine Zeitung destacou na semana a violência sem fim do Boko Haram na Nigéria. “Com um ataque resultando em mais de 100 mortos, o presidente Goodluck Jonathan anuncia a formação de uma força multinacional”, escreve o periódico.

O texto lembra a explosão da bomba em Jos na última quarta-feira (21/5). A cidade se localiza no Nordeste do país, região de Chibok, onde houve também o sequestro das quase 300 estudantes.

Líder do Boko Haram, Abubakar Shekau

Líder do Boko Haram, Abubakar Shekau

A matéria também descreve as reações da comunidade cristã e do próprio governo nigeriano às recentes ações do Boko Haram.

Odiadas no norte da Nigéria, as lideranças cristãs classificaram o ataque em Jos como brutal, fruto de maldade e uma afronta à liberdade das pessoas.

O governo de Goodluck Jonathan, conforme a reportagem, ainda está determinado a vencer o que chama de “guerra contra o terrorismo” em meio ao crescente ressentimento da população.

Também é destaque o ambiente de incerteza da sociedade nigeriana diante de um governo que parece ser incapaz de resolver o problema.

Outro jornal que dedicou bastante espaço à crise provocada pelo Boko Haram foi o Berliner Zeitung. A matéria intitulada “Impotência contra o Boko Haram”, de Johannes Dietrich, caracteriza o exército nigeriano como mal equipado e desmotivado. “Os soldados não querem nem podem obstruir as ações dos radicais”, sentencia o texto.

Nova onda

Die tageszeitung cobriu a retomada da investida tuaregue no Mali. As tropas do governo bateram em retirada e tiveram pesadas baixas na região de Kidal e outras áreas do Norte do país. As forças internacionais não realizaram intervenções, o que provocou protestos na capital Bamako.

“Os rebeldes tuaregues tiveram a sua maior vitória desde a proclamação do Estado Azawad, no norte do Mali, há dois anos, assumindo o controle completo de Kidal, na última quarta-feira”, escreve o jornal.

Bewegung Befreiung Azawad Gebiet Tuareg Mali MNLA Afrika Mali

Rebeldes do Movimento pela Libertação do Azawad

Conforme os números da reportagem, 500 rebeldes tomaram o quartel general, matando 40 soldados do exército do Mali e mantendo 70 prisioneiros.

Outro jornal que abordou temas relacionados a conflitos em África foi Die Welt. A matéria “No estrangulamento da guerra santa”, assinada por Nicole Nacheroux-Denault, sugere que os ataques terroristas tem amedrontado os turistas no Quênia e que a polícia tem reagido de forma contundente contra os muçulmanos no país.

Continente da esperança?

O Berliner Zeitung publicou a matéria de Thomas Schmid, intitulada “Dar uma chance à África”. O texto concorda com uma parte do plano de estratégias do governo alemão para o continente.

O documento destaca que “África está a despertar”. No que se refere ao crescimento econômico, África deixou todos os outros continentes para trás.

Bildergalerie Angola Rohstoffe

"Futuras oportunidades": oleodutos em Angola

O Produto Interno Bruto cresceu na maioria dos países da África subsaariana entre 5 e 10 por cento. A matéria também cita os recursos minerais do continente – petróleo, diamantes, cobalto e bauxita. “É o continente das futuras oportunidades”, escreve o jornal.

Algumas horas após o lançamento do plano estratégico, no entanto, uma bomba explodiu na Nigéria, matando 118 pessoas. O texto destaca também a situação no Sudão do Sul, na República Centro-Africana e na República Democrática do Congo, citando conflitos étnicos.

Conforme a matéria, a Europa tem o interesse na estabilização da região, mas os processos de reconciliação devem emergir de dentro dos países.

Ouvir o áudio 03:42

Novos ataques do Boko Haram ocupam as páginas da imprensa alemã

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados