1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Novo ataque na capital da Nigéria faz pelo menos 19 mortos

Na noite de quinta-feira, uma bomba explodiu nos arredores de Abuja e fez pelo menos 19 mortos e mais de 60 feridos. O atentado ainda não foi reivindicado, mas suspeita-se do Boko Haram. Moradores pedem mais segurança.

O atentado ocorrido na noite de quinta-feira (01.05) ocorreu perto de Nyanya, um subúrbio da capital nigeriana, Abuja, quando um carro armadilhado explodiu a poucos metros de uma estação de autocarros.

Segundo as autoridades, o número de vítimas mortais pode vir ainda a aumentar, uma vez que alguns dos feridos se encontram em estado crítico.

No local da explosão, ainda são visíveis partes de carros e estilhaços de vidro. Há polícias por todo o lado e centenas de espetadores. Foi um grande choque para os moradores de Nyanya. “Morreram muitas pessoas. E já é a segunda vez que isso acontece aqui. Dessa vez também morreram muitas pessoas”, conta Wale Aneke, que vive neste subúrbio de Abuja.

“E é por isso que pedimos ao Governo mais segurança nesta zona. Queremos um detector de bombas para que as pessoas que vivem aqui se sintam seguras”, reclama o habitante.

Segundo ataque em Nyanya

Pela segunda vez em menos de três semanas, Nyanya parece ter atraído a atenção dos fundamentalistas. Foi aqui que no passado dia 14 de abril a explosão de uma bomba causou 75 mortos e mais de 200 feridos.

Ouvir o áudio 03:17

Novo ataque na capital da Nigéria faz pelo menos 19 mortos

Esse ataque foi reivindicado pelo Boko Haram, grupo fundamentalista que pretende criar um estado islâmico no norte do país, essencialmente muçulmano, e que desde logo avisou que os ataques iriam continuar.

O atentado desta quinta-feira ainda não foi reivindicado, mas as autoridades suspeitam do Boko Haram, que desde 2009 já foi responsável por mais de 3.000 mortos.

Por que motivo o subúrbio no sul da capital nigeriana foi escolhido pelos fundamentalistas é uma pergunta para a qual o chefe tradicional local, Haruna Angu Shraibu, não tem resposta.

“Não faço ideia. Não posso dizer exactamente por que razão escolheram Nyanya, mas não quero que continuem. Este deverá ser o último atentado à bomba no meu domínio!”, avisa.

Moradores querem mais meios

Anschlag in Abuja, Nigeria

Haruna Angu Shraibu, chefe tradicional de Nyanya

Haruna Angu Shraibu estava a sair da mesquita quando se deu a explosão. Primeiro, pensou que um pneu tinha estourado, mas pouco depois começou a contar os mortos e os feridos.

Após o choque inicial, a preocupação agora é como proteger os moradores de Nyanya. Por causa do atentado, foram mobilizadas para o subúrbio mais forças de segurança. Entretanto, muitas já deixaram o local da explosão.

“As forças de segurança estão a dar o seu melhor, mas quero que o Governo Federal mobilize mais efetivos para esta comunidade, em particular para Nyanya, para que a vigilância seja permanente”, exige o líder local.

Segurança reforçada para Fórum Mundial

Na manhã desta sexta-feira, o Presidente da Nigéria, Goodluck Jonathan, convocou uma reunião de emergência com as forças de segurança. O chefe de Estado tem sido alvo de muitas críticas por causa da forma como tem gerido o combate contra o Boko Haram.

O ataque acontece a uma semana do início do Fórum Económico Mundial de África em Abuja, encontro anula que junta líderes internacionais, políticos, empresários e filantropos. O Governo nigeriano prometeu reforçar a segurança na capital durante o fórum.

Outro tema polémico no país é o rapto das cerca de 230 alunas sequestradas há mais de uma semana numa escola da cidade de Chibok, no Estado de Borno. Na quinta-feira, os pais das meninas manifestaram-se contra a demora nas negociações e exigiram ao Governo mais empenho mais no resgate das estudantes.

Anschlag in Abuja, Nigeria

A polícia já iniciou uma investigação para esclarecer o ocorrido

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados