1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

No Niassa, jovens consomem cada vez mais álcool de forma excessiva

Na província do norte de Moçambique, muitos adolescentes e jovens entregam-se ao vício por falta de ocupação profissional.

default

Alcoolismo na juventude em Lichinga, Niassa

O consumo de álcool, tanto de fabrico industrial como caseiro, está a aumentar exponencialmente no seio dos jovens da província do Niassa, no norte de Moçambique. Uma das razões apontadas é a falta de ocupação profissional; o stress é outro dos motivos que levam os jovens a beber.

[Bebo para] "esquecer o que eu já sofri na minha vida, [por causa do] stress. O stress pode matar alguém", explica Ângelo Almeida à DW África, já em claro estado de embriaguez.

Dionísio Jone, um estudante que se junta com os seus amigos para beber numa barraca na cidade de Lichinga, diz que usa o ácool para "aliviar alguns sentimentos", "uma pessoa tem que pôr álcool para esquecer algumas coisas", acrescenta. A frequentar o 12.º ano, o jovem diz que o álcool o "ajuda a pensar bem". 

Alcoolismo preocupa organizações

Paulo Phatama, presidente do Conselho Provincial da Juventude no Niassa não tem dados concretos sobre o número de jovens que se entregou ao vício, mas diz sentir que "a juventude da província se alimenta de desesperança e então [os jovens] pensam que a única solução para eles e para não sentirem stress é consumindo álcool".

Mosambik Niassa | Paulo Phatama, Provinzrat der Jugend (DW/M. David)

Paulo Phatama, presidente do Conselho Provincial da Juventude no Niassa

 Phatama admite que muitos jovens aliam o consumo de álcool às "drogas, que alteram a mente dos nossos jovens". 

Paulo Phatama disse ainda que há esforços a vários níveis com vista a inverter este cenário na província do Niassa, mas os jovens não sabem esperar. "A juventude quer tudo na hora e tudo certo sem nenhuma falha, o que não é possível", afirma.

O presidente do Conselho Provincial da Juventude considera que "o governo está a fazer um esforço maior" para combater o problema, mas "não é possível atender a 100% às preocupações dos jovens", que constituem a maior parte da população.

Trabalho contínuo, que não é rápido o suficiente

Jorge Cazembe, responsável de saúde mental na Direção de Saúde na província do Niassa, realça os esforços do Governo moçambicano, como a criação de uma enfermaria especializada para este tipo de casos, bem como a criação de núcleos nos centros de saúde e escolas secundárias para combater o problema. 

Ouvir o áudio 03:22

No Niassa, jovens consomem cada vez mais álcool de forma excessiva

"Não temos centros vocacionais específicos, mas temos alguns meios que o ministério [criou], através da direção provincial de saúde do Niassa", por exemplo, "nas unidades sanitárias onde os técnicos estão, existe um espaço onde o técnico de psiquiatria tem diuas camas", explica Cazembe. 

O presidente do Conselho Provincial da Juventude no Niassa, Paulo Phatama, apela aos jovens para que não se entreguem aos vícios e que optem por trabalhos rentáveis, para que possam ter uma vivência saudável em sociedade.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados