1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Nito Alves: "Ou libertam os jovens que estão presos ou prendem todos os ativistas"

Em entrevista à DW, o ativista angolano Nito Alves, que esteve várias semanas em Lisboa, considerou as próximas eleições gerais no seu país um simulacro eleitoral, porque haverá fraudes para dar vitória ao MPLA.

Nito Alves - Aktivist in Angola (DW/J. Carlos)

Nito Alves

Manuel Nito Alves, do grupo dos 17 ativistas condenados por atos preparatórios de rebelião e associação de malfeitores, qualifica como "um simulacro” as eleições em Angola. Critica o regime de José Eduardo dos Santos, que prendeu e condenou sete jovens por terem exigido que o ato eleitoral de agosto próximo seja livre e transparente. O ativista cívico angolano pede a libertação imediata dos referidos jovens e lamenta, entretanto, o silêncio dos partidos da oposição, da sociedade civil e de organizações não governamentais, bem como da imprensa nacional e internacional face a novas violações dos Direitos Humanos,

A recente detenção de sete jovens, membros da designada Comissão Nacional dos Ativistas Angolanos, condenados a 45 dias de prisão efetiva por terem exigido eleições livres e transparentes, faz parte da estratégia de intimidação perpetrada pelo regime no poder em Angola, no ano em que se realizam eleições no país, afirma em entrevista à DW África o jovem ativista.

Angola Aktivisten mit Familien (DW/P. Borralho Ndomba)

Nito Alves com a mãe Adália Chivonde

"Considero que sim, prendendo e intimidando as pessoas para elas não protestarem enquanto decorrer o processo eleitoral. O regime pode estar mais feroz, praticamente a perseguir os ativistas, os políticos, os cidadãos que pensam diferente. Ainda assim, digo também que as baterias estão carregadas e vamos até as últimas consequências políticas face ao regime de José Eduardo dos Santos e o seu MPLA. Ou libertam os jovens que estão presos ou prendem todos os ativistas, a sociedade civil em geral e o povo angolano", disse Nito Alves.

Caraterísticas de um Estado ditatorial

Manuel Chivonde Baptista Nito Alves, mais conhecido por "Nito Alves”, foi o primeiro do grupo dos 17 ativistas angolanos a entrar em greve de fome assim que foi preso, em junho de 2015. "Nito Alves” considera que esta é uma das características de um Estado ditatorial, porque os referidos jovens apenas defendem a liberdade de expressão.

"Por parte do partido no poder não espero absolutamente algo de bom. Só espero algo de ridículo e nojento – desculpe a expressão. Sendo um Estado autoritário e ditatorial, na pessoa do general Kopelipa, do general José Maria ou do Leopoldino ou do [indivíduo] que mandou matar os meus amigos Isaías Cassule e Alves Kamulingue, só um ingénuo pode acreditar na sensibilidade de Eduardo dos Santos para haver liberdade em Angola".

Liberdade depende dos próprios angolanos

Nito Alves diz que os ativistas têm plena consciência de que a liberdade em Angola "depende dos próprios angolanos". Entretanto, o ex-preso político diz estar "abatido psicologicamente” devido ao silêncio à volta das novas detenções e violações dos direitos humanos no seu país.

Ouvir o áudio 02:48

Nito Alves: "Ou libertam os jovens que estão presos ou prendem todos os ativistas"

"Não consigo compreender como é que se encontram presos sete jovens, que defendiam a liberdade e eleições justas e transparentes, e os partidos na oposição do meu país – falo da UNITA, CASA-CE, PRS, Bloco Democrático e outros 'partidecos' que estão na oposição – não dizem absolutamente nada. As organizações não-governamentais e alguns supostos grupos de pressão ao Governo não dizem absolutamente nada. A imprensa nacional e internacional, aquela que temos como independente, também não dizem absolutamente nada."

Por outro lado, Nito Alves, que esteve várias semanas em Lisboa, pede a união efetiva de todos os partidos da oposição, a exemplo do que aconteceu no Senegal, como estratégia possível para derrubar e afastar José Eduardo dos Santos. No entanto, as próximas eleições, no seu entender, são um simulacro eleitoral, porque haverá fraudes para dar vitória ao Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), que assim se manterá por mais tempo no poder.

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados