Nigéria: Mortalidade infantil aumenta devido à poluição petrolífera | NOTÍCIAS | DW | 28.10.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Nigéria: Mortalidade infantil aumenta devido à poluição petrolífera

Relatório de universidade suíça lança o alerta: milhares de crianças estão a morrer devido aos derramamentos de petróleo na região do Delta do Níger.

Os efeitos do derramento de petróleo são cada vez maiores sobre a mortalidade infantil na região do Delta do Rio Níger, na Nigéria. Mesmo assim, a exploração e a extração de petróleo não param. O problema já era claro, mas, pela primeira vez, um relatório da Universidade de Sankt Gallen, na Suíça, aponta que milhares de crianças estão a morrer devido à poluição petrolífera.

O vazamento na produção de petróleo não contamina apenas os recursos hídricos: os moradores também estão expostos aos produtos químicos nocivos encontrados  no petróleo bruto através do contato direto com a pele ou pelo consumo de vegetais poluídos. Muitos também inalam o fumo libertado pela queima de óleo.

Mortes poderiam ser evitadas

16 mil crianças morreram ainda no primeiro mês de vida, no ano de 2012. 70% destes menores teriam sobrevivido o primeiro ano de vida se não fosse o derramamento de petróleo, no Delta do Níger. 

O estudo conclui que os derramamentos de petróleo num raio de 10 km são capazes de aumentar fortemente o risco de mortalidade infantil.

Nigeria Niger-Delta Ölverschmutzung Kläger Eric Dooh

Derramamentos de petróleo afetam muitos habitantes da região, como o agricultor Eric Dooh.

"Venho de uma comunidade onde a água está totalmente contaminada", diz Ankio Briggs, uma nigeriana do Delta ativista na campanha contra a poluição do meio ambiente resultante das operações das companhias petrolíferas.

"Cresci bebendo de um poço na casa dos meus avós, nas décadas de 50 e 60, antes da guerra civil. Costumávamos tirar um balde inteiro de água limpa e bebíamos. Hoje, tenho que comprar água engarrafada, não posso mais beber de uma fonte natural", conta a ativista. "O pior de tudo é que a minha experiência pessoal é a mesma de milhões de pessoas", conclui.

Saúde em perigo

Estudos anteriores associaram os derramamentos de petróleo na Nigéria a um aumento de casos de cancro e à diminuição do nível de espermatozóides, especialmente entre a população residente na região de exploração do petróleo.

Kie Oboe, do estado de Rivers, na Nigéria, destaca a preocupação sobre os riscos para a saúde devido à forte poluição: "Recentemente começámos a ter cinzas negras cobrindo toda a cidade e arredores. Isto é o resultado da poluição provocada pela exploração do petróleo. Uma questão muito séria, porque afeta diretamente a nossa saúde, o meio ambiente e tudo o que fazemos”.

Ouvir o áudio 02:54

Nigéria: Poluição petrolífera leva a mortalidade infantil

Autoridades médicas afirmam que "qualquer produto químico que atravesse a placenta influencia no desenvolvimento do embrião e do feto. Isto é ainda mais grave no momento da formação do feto em que as células se dividem e se diferenciam em tecidos específicos dos sistemas nervoso, circulatório e imunológico".

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, o embrião, o feto ou a criança são particularmente sensíveis a concentrações de produtos químicos tóxicos. O petróleo bruto e seus componentes causam defeitos congénitos e mudanças no desenvolvimento fetal.

Nesta pesquisa da Universidade suíça, as empresas petrolíferas foram consideradas culpadas pela poluição do Delta do Níger devido à negligência no planeamento e manutenção dos gasodutos e outras infraestruturas petrolíferas. Já o Governo Federal da Nigéria é o segundo culpado pelo fracasso no controlo e segurança das empresas petrolíferas, bem como a falha na prevenção de roubo de petróleo e sabotagens que ocorrem regularmente.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados