Nampula vai a votos na segunda volta das intercalares | Moçambique | DW | 14.03.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Nampula vai a votos na segunda volta das intercalares

Cidadãos de Nampula, no norte de Moçambique, escolhem esta quarta-feira o próximo edil, que substituirá Mahamudo Amurane, assassinado no ano passado. Segunda volta é disputada entre candidatos da FRELIMO e da RENAMO.

default

Fraca afluência nas primeiras horas de votação na segunda volta das intercalares

A votação começou esta quarta-feira de manhã (14.03) com fraca afluência aos postos distantes do centro de Nampula, nas zonas rurais. Mas o ambiente é de grande expectativa. As urnas estão abertas até às 18 horas naquela que é a segunda volta da eleição intercalar para escolher o sucessor de Mahamudo Amurane, morto a tiro em outubro por desconhecidos.

Fátima Joaquim, Bürgerin aus Nampula, Mosambik

Fátima Joaquim: "Vou votar numa pessoa que vai trabalhar bem para a população"

Os eleitores querem um autarca empenhado nas causas do povo. "Vou votar numa pessoa que vai trabalhar bem para a população", afirma Fátima Joaquim, uma residente em Nampula.

"A maior frustração para nós será se os candidatos prometerem e não cumprirem", acrescentou outro cidadão Molide Momade, na véspera da votação.

Problemas? Comissão eleitoral garante que não

Problemas como a falta de nomes nos cadernos eleitorais e os atrasos na chegada do material às assembleias de voto são questões que não se deverão repetir nesta segunda volta das intercalares, assegura o presidente da Comissão Provincial de Eleições, Daniel Ramos.

"Haverá em cada local de votação um técnico do Secretariado Técnico de Administração Eleitoral (STAE) que vai auxiliar todos aqueles que não conseguirem localizar a sua mesa de votação, mas também os próprios Membros das Mesas de Votos (MMV) poderão ajudar os eleitores  a localizar os nomes", afiançou.

As autoridades eleitorais, acompanhadas por agentes da polícia, começaram a distribuir o material de votação na manhã de terça-feira, sobretudo nos locais mais distantes, para evitar atrasos no arranque da votação.

O presidente da Comissão Provincial de Eleições, Daniel Ramos, fez um apelo a todos os que se recensearam para exercerem o seu direito de voto. "O nosso desejo é, também, ver todas as mesas de votação repletas de pessoas", disse.

Wahlmaterial in Nampula, Mosambik

Material que já estava disponível antes de começar a votação

Medo de abstenção elevada

A Sala da Paz, uma organização que envolve a sociedade civil, políticos, religiosos e jornalistas na observação do processo de votação, mostrou-se preocupada com a abstenção que marcou a primeira volta das eleições. Mas Juma Aiuba, porta-voz da organização, acredita que a situação pode ser diferente esta quarta-feira.

"Preocupa-nos a questão das abstenções e temos estado a trabalhar com os órgãos de gestão eleitoral para evitarmos os erros que foram verificados na primeira volta. E temos a garantia dos mesmos que a questão dos cadernos, que era mais candente, estaria ultrapassada."

A polícia moçambicana, por intermédio do seu porta-voz em Nampula, Zacarias Nacute, já avisou não vai permitir desordem no processo de votação, e pede aos cidadãos que abandonem os postos de votação depois de votarem e aguardem pelos resultados nas suas casas através dos órgãos de comunicação social.

Leia mais