1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Na Guiné-Bissau prevenção contra o ébola é a palavra de ordem

Está a decorrer desde a última segunda feira (22.09), uma campanha de comunicação e prevenção do ébola, cujos dinamizadores são associações de base nas zonas da intervenção da ong Ação para o Desenvolvimento(AD).

default

Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, numa ação de limpeza no âmbito da campanha contra o ébola

A estratégia baseada na ação participativa, visa consciencializar as populações sobre as medidas preventivas adequadas contra o virus do ébola, tendo em conta as ações da Ação para o Desenvolvimento (AD), na melhoria das condições de vida das comunidades, sobretudo das zonas rurais.

Neste sentido o coordenador da referida campanha, José Filipe Fonseca, disse que a ong AD não podia ficar indiferente perante uma situação de urgência nacional: "Vimos as condições em que o ébola se propaga, pensamos que nos devemos preparar para uma eventualidade."

E por isso Fonseca diz que "a AD, que já tem experiência com o surto, uma tradição de intervenção e trabalha com grupos de base, tudo isso leva-nos a pensar que nos encontramos numa boa posição para dar um contributo valioso."

LKW in der Grenze des Buruntuma

Buruntuma, fronteira com a Guiné Conacri, um dos países mais afetados pelo ébola

Difundir formas de prevenção

Para que a campanha de prevenção do Ébola tenha efeitos multiplicadores, José Filipe Fonseca descreveu quatro componentes da estratégia de comunicação. "Com as 32 rádios e quatro televisões comunitárias, o teatro, a cooperativa cultural "Os Fidalgos", músicos, os meios eletrónicos, temos o nosso site, temos o Facebook, e temos os boletins escritos, e há formação para os jornalistas."

E não é tudo, Fonseca faz saber por outro lado que "depois há a segunda componente que é a formação de grupos. São 127 agrupamentos com os quais trabalhamos, também com 25 escolas de verificação ambiental, com cinco centros de saúde e 15 unidades de saúde básica. Trabalhamos ainda com três jardins-escola e dois centros de formação profissional."

O coordenador da AD acredita que com "toda essa gente bem formada possamos entrar numa situação de comunicação inter-pessoal e criar efeitos multiplicadores, para que a maior parte das pessoas nas áreas em que atua saiba do que se trata e como previnir o virus do ébola."

Kampagne gegen Ebola in Guinea-Bissau

Residentes de Bissau também estiveram envolvidos na limpeza da sua cidade

População de mangas arregaçadas

A DW África ouviu a opinião de dois moradores do bairro de Quelélé, um dos mais populosos da cidade de Bissau e onde a AD intervém desde 1991.

Uma mulher destaca o papel da comunidade nesta ação: "Penso que a intervenção é uma tarefa de todos nós, porque o Governo, por si só, não pode fazer face a este flagelo. Todos devemos meter mãos à obra para combater o ébola através nomeadamente da limpeza, porque no bairro de Quelélé a maior parte da população não tem acesso à água potável e tem de recorrer aos poços tradicionais."

E outra das entrevistadas diz que só está à espera de material para pôr mãos à obra: "Nós é que seremos as principais vítimas de qualquer doença e por isso penso que é bom por exemplo utilizar a lixivia para desinfetar a água, os legumes, limpar as nossas ruas e casas. Só assim haverá higiéne e desta forma menos riscos para contrairmos doenças do tipo ébola."

A campanha de comunicação e prevenção contra o ébola termina em agosto de 2015.

Ouvir o áudio 02:56

Na Guine-Bissau formação contra ébola é a palavra de ordem

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados