1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Mutilação Genital Feminina - parte 1: Os diferentes tipos

Enquanto estiver a ouvir este programa sessenta meninas serão mutiladas. Nesta série de programas falamos de mitos e das consequências associados a esta prática. Saiba quais são os diferentes tipos de FGM.

Fay Mohammad é uma menina somali, de nove anos, sujeita à mutilação genital feminina. A fotografia foi tirada em 2004, mas em 2011, a prática mantem-se. 98 por cento das mulheres somalis foram mutiladas

Fay Mohammad é uma menina somali, de nove anos, sujeita à mutilação genital feminina. A fotografia foi tirada em 2004, mas em 2011, a prática mantem-se. 98 por cento das mulheres somalis foram mutiladas

Estima-se que entre 100 a 140 milhões de raparigas e mulheres em todo o mundo, maioritariamente em África, sofram as consequências da mutilação genital feminina: um acto brutal com consequências dramáticas para a saúde.

Beschneidung mit Messer Klingen und Amulette

Facas, laminas e um amuleto. São os instrumentos de um “kit” usado para a mutilação genital feminina no Quénia

Existem muitas variações de mutilação genital feminina, também conhecida por FGM (do inglês, Female Genital Mutilation).

Os quatro tipos da mutilação genital feminina

Organização Mundial de Saúde estabeleceu quatro tipos principais:

FGM de tipo 1, ou clitoridectomia, são todos os procedimentos que retiram o clítoris, parcial ou totalmente. A função do clítoris é dar prazer sexual à mulher.

FGM de tipo 2, ou excisão, consiste em retirar não apenas o clítoris mas também os pequenos lábios (e por vezes também os grandes lábios);

FGM de tipo 3, ou infibulação, que consiste em fechar a abertura vaginal. Pode ou não incluir a remoção do clítoris.

FGM de tipo 4, nesta última categoria de FGM cabem todos os restantes tipos de mutilação que não têm qualquer objectivo médico, como perfurar, raspar ou queimar a zona genital.

A mutilação genital feminina é mundialmente reconhecida como uma violação dos direitos humanos.

Um programa da autoria de Débora Miranda com coordenação de Helena de Gouveia.

*A música NO CUT usada neste programa foi gentilmente cedida pela MAA- Maasai Aid Association e pelos cantores Cartoon e Shamir.

Autora: Helena de Gouveia
Editor: Johannes Beck

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados