1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

"Mutilação genital feminina não é preceito do Islão"

O imã da Mesquita Central de Lisboa lembra que o Alcorão não faz nenhuma referência à prática, assumida como tradição em alguns países de África. David Munir considera um "absurdo" negar à mulher o direito ao prazer.

A mutilação genital feminina (MGF) - prática que na Guiné-Bissau tem o nome de fanado - não faz parte dos preceitos do islamismo, afirma o imã da Mesquita Central de Lisboa.

Sheik David Munir, que participou há dias na apresentação pública de um projeto contra a MGF, assegura que na história ou nos ensinamentos do Islão nada está escrito a recomendar a prática. "Na teologia do Islão não vemos nada desse género. Nem o profeta disse às pessoas para o fazerem", sublinha.

Explica ainda que no ano em que Mohamed (Maomé) nasceu, 570 d.C., "a prática comum, mais concretamente na cidade de Meca, era enterrar as recém-nascidas. O infanticídio feminino era comum e o Islão proibiu-o."

Aliás, explica o imã da Mesquita Central de Lisboa, são várias as razões que levam o Islão a não praticar a MGF. "Se nós temos a vida do profeta como modelo, se aquilo fosse islâmico, como alguns teólogos muçulmanos de dizer, provavelmente algumas pessoas com poucos conhecimentos o dirão. Mas se fosse prática comum no islão, então o profeta seria o primeiro a dar o exemplo."

"Mutilar é proibido"

O imã nascido em Moçambique, e com pai nascido no Iémen, precisa, entretanto, que é comum entre os muçulmanos e os judeus a prática da circuncisão e não da mutilação do sexo feminino, sobretudo nas crianças.

Ouvir o áudio 02:57

"Mutilação genital feminina não é preceito do Islão"

"A criança é inocente. Mutilar é proibido e mutilar uma criança é ainda mais. Há certas partes do nosso corpo que são mesmo íntimas", lembra.

A excisão feminina ou o fanado, reforça Sheik Munir, vai contra os princípios do Islão. É uma prática ancestral, que já teria existido no tempo do profeta Moisés.

Um dos objetivos do fanado, como é conhecido na Guiné-Bissau, é fazer com que a mulher não sinta prazer durante o ato sexual. "Isto é absurdo", diz em entrevista à DW, argumentando que há igualdade entre homens e mulheres. "Se homens e mulheres são iguais, se ele tem o direito de sentir o prazer, a mulher também tem que ter a mesma vontade", acrescenta. "E isto vai contra os princípios básicos universais."

Tema sensível

A prática da mutilação ou excisão ficou erroneamente conhecida como estando ligada ao Islão, segundo uma narração citada pelo imã. "Às vezes as pessoas pegam nessa narração e dizem que o profeta viu uma senhora que a praticava e ele não proibiu ou não disse nada. Não é uma narração que possamos dizer que é válida", clarifica.

Segundo David Munir, continuam a ser feitos "muitos estudos sobre essa narração porque o que está no Alcorão é direto. Muitas narrações, muitos dizeres do profeta foram fabricados, não têm nada a ver com o que o profeta disse."

Por ser um tema sensível, o imã tem sido prudente na sua abordagem nas palestras com a comunidade muçulmana em Portugal, que inclui guineenses e senegaleses. Vai falando do tema, sempre que possível, para sensibilizar as pessoas sobre a necessidade de acabar com o fanado nos países onde ainda é praticado.

Acredita que no futuro talvez seja possível realizar um workshop sobre o tema, convidando especialistas na área da saúde e fanatecas. "Seria uma oportunidade para as pessoas se sensibilizarem que se são crentes, se acreditam na religião islâmica e o Islão proíbe essas práticas, elas têm de deixar de o fazer", defende.

Lissabon Zentralmoschee Lissabon

A Mesquita Central de Lisboa é a principal mesquita da comunidade islâmica em Portugal

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados