1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

“MPLA está preparado para ganhar eleições”

No arranque do VII congresso, José Eduardo dos Santos garantiu que o partido “nunca abandonou o povo”. Ambrósio Lukoki, militante histórico, diz que a “impopularidade” do líder está a contribuir para a queda do MPLA.

Milhares de pessoas, entre militantes, convidados e diplomatas, estiveram concentrados esta quarta-feira (17.08) nos arredores de Luanda para a abertura do VII congresso ordinário do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), que decorre sob fortes medidas de segurança.

O conclave, que termina a 20 de agosto, vai eleger José Eduardo dos Santos, único candidato à sua sucessão ao cargo de presidente do partido. Não se sabe ainda a quem caberá o cargo de vice-presidente, até agora ocupado pelo histórico militante Roberto de Almeida.

O encontro prevê também, na sexta-feira (19.08), a confirmação da nova composição do Comité Central, liderada por José Eduardo dos Santos, na lista única a ser sufragada pelos congressistas igualmente na sexta-feira.

Ambrósio Lukoki, histórico militante dos “camaradas”, pediu que o seu nome fosse retirado desta lista do Comité Central. Em conferência de imprensa, esta terça-feira (16.08) apontou o dedo a José Eduardo dos Santos por estar a “prejudicar a imagem do partido no poder” com a sua “impopularidade”.

Wahl Angola

Apoiantes do MPLA na campanha eleitoral de 2012

“O Presidente do partido e chefe de Estado, registando uma impopularidade recorde pelas suas desinteligências, conota o partido e arrasta na sua queda certos inocentes”, sublinhou Lukoki.

No discurso de abertura do congresso, o tom do candidato único à liderança do partido foi mais optimista, com José Eduardo dos Santos a afirmar que "este MPLA é o grande partido da família angolana” e “está preparado para o combate político, para ganhar as próximas eleições e para continuar a governar a República de Angola, correspondendo aos anseios das populações".

Ao lado do povo angolano?

A sociedade angolana continua em choque depois da morte a tiro de Rufino António, adolescente de 14 anos, na onda de demolições a decorrer no Zango II e III, nos arredores de Luanda.

Discursando no ato central de abertura do VII congresso ordinário do MPLA, Eduardo dos Santos não se referiu ao incidente, mas disse que o seu partido “nunca lutou contra o povo” angolano.

“O MPLA nunca abandonou o povo”, garantiu o chefe de Estado. “Assim construímos um grande partido, um partido que não é do sul, não é do norte, não é do leste, mas de todo povo de Angola, de Cabinda ao Cunene”.

Ambrósio Lukoki tem um pensamento diferente. “Nós, os dirigentes do partido e do Estado, continuamos a enviar mensagens ou sinais coercivos e destrutivos que cada vez mais e sempre continuam separar-nos do eleitorado”, sublinhou, esta terça-feira.

Angola Luanda Impfkampagne Gelbfieber

Habitantes de Luanda esperam pela vacinação contra a febre-amarela

Durante a intervenção de 35 minutos, no arranque do congresso, o Presidente angolano mostrou-se preocupado com a febre-amarela, que, desde dezembro, já matou mais de 360 pessoas no país. José Eduardo dos Santos lamentou “o luto e dor no seio de muitas famílias, apesar do sacrifício e empenho” dos serviços de saúde angolanos.

O chefe de Estado assumiu ainda que é preciso reduzir a alta taxa de mortalidade infantil no país, classificando como “uma grande preocupação” as mortes de “crianças recém-nascidas e de mulheres gestantes que aumentam por causa da incidência do paludismo”.

Críticas à corrupção empresarial

Assumindo o "momento crucial" que Angola vive, devido à crise financeira e económica provocada pela quebra nas receitas petrolíferas, Eduardo dos Santos disse que é necessário adoptar políticas para evitar a dependência do petróleo e apelou à "criatividade" dos empresários nacionais. Pediu apoio aos “empresários que sabem realizar licitamente os seus negócios no mercado interno e externo, para conquistarem riqueza e contribuíram para aumentar o emprego e fazer crescer a economia".

Ouvir o áudio 03:46

“MPLA está preparado para ganhar eleições”

José Eduardo dos Santos deixou ainda um aviso à classe empresarial: "Não devemos confundir estes empresários com os supostos empresários que constituem ilicitamente as suas riquezas, recebendo comissões a troco de serviços que prestam ilegalmente a empresários estrangeiros desonestos, ou que façam essas fortunas à custa de bens desviados do Estado ou mesmo roubados".

Sucessão gera dúvidas

Em março, José Eduardo dos Santos anunciou a sua retirada da vida política ativa, em 2018, sem, no entanto, esclarecer se será ou não o cabeça de lista do seu partido nas eleições gerais previstas para agosto de 2017.

A questão da sucessão de Eduardo dos Santos - tanto no partido como no Estado - tem gerado várias críticas e sugestões e continua na ordem do dia, depois do arranque do congresso.

Na lista de propostas a membros do Comité Central do MPLA constam os nomes de alguns dos filhos do Presidente, como o de “Tchizé” dos Santos, atual deputada na Assembleia Nacional, o que tem acentuado o tom das críticas a uma possível pretensão de José Eduardo dos Santos de preparar um dos seus filhos para o substituir.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados