1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

"MPLA deve governar para os cidadãos e não para o partido"

Em entrevista à DW África, o investigador britânico Alex Vines, da Chatam House, aponta os desafios económicos e políticos que o novo Governo angolano enfrenta. Crescer sem depender do petróleo é um deles.

default

João Lourenço assumirá a Presidência da República em Angola

O novo Governo angolano tem de criar mais emprego e mais oportunidades para os angolanos, defende Alex Vines, investigador do instituto britânico Chatham House. Em entrevista à DW África, Vines fala sobre o futuro do país que desde meados de 2014 está em crise por causa do preço do petróleo no mercado internacional.

O especialista também é duro ao criticar o Governo cessante do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), dizendo que até agora o Executivo beneficiou um pequeno grupo de membros do partido e esqueceu-se dos da população.

Angola Forum 2017 - Alex Vines

Alex Vines: "Agricultura vai ser muito importante para Angola"

Como desafio para o novo Governo do MPLA, a ser chefiado por João Lourenço, o investigador britânico aponta a diversificação da economia, que ainda está muito atrelada ao setor petrolífero.

"Até 2020, haverá uma diminuição de 11% dos recursos petrolíferos a cada ano. Por isso é muito importante buscar novas oportunidades na economia", alerta o especialista.

DW África: Angola é uma economia dependente do petróleo e enfrenta a forte crise do setor desde meados de 2014. Qual deve ser a postura do novo Governo: continuar a investir na exploração petrolífera ou diversificar a economia?

Alex Vines (AV): O primeiro objetivo do novo Governo em Angola é buscar um caminho para a diversificação da economia do país. Claro que o futuro petrolífero em Angola é fraco e não há nenhuma outra possibilidade para a diversificação da economia hoje em dia.

DW África: Então, o que ajudaria o Governo a diversificar a economia?

AV: É uma boa questão. Acho que a agricultura vai ser muito importante para Angola. Há muita terra no país. E esta é também uma oportunidade de ajuda de terceiros como o Brasil, China e outros países que ajudam Angola neste setor. Também um futuro menos [ligado ao] petróleo está relacionado ao gás [natural]. Há recursos de gás no país, mas o Governo de José Eduardo dos Santos deu mais importância ao petróleo do que ao gás.

Ölplattform in Angola

Recursos petróliferos em Angola serão reduzidos nos próximos anos, diz pesquisador

DW África: Entre as propostas anunciadas pelo MPLA durante a campanha eleitoral estão a construção de "pelo menos" uma refinaria, para diminuir a "grande dependência do país em produtos refinados", e a garantia de 30% de novas empresas nacionais no setor. Acha que são medidas exequíveis diante da crise que o país enfrenta?

AV: Há muitos problemas no setor petrolífero neste momento. Há poucos investidores, e não há nenhum novo campo de exploração em Angola neste momento. O problema é que os recursos de petróleo estão a acabar. Até 2020, haverá uma diminuição de 11% dos recursos petróliferos a cada ano. Por isso é muito importante buscar novas oportunidades na economia.

Ouvir o áudio 03:47

"MPLA deve governar para os cidadãos e não para o partido"

DW África: Angola é um país rico com uma população pobre, é o que dizem muitos analistas. O que o novo Governo deve fazer para distribuir os rendimentos entre os cidadãos?

AV: Esta é a questão número um para o novo Presidente de Angola, João Lourenço, que precisa criar mais emprego e mais oportunidades para os angolanos. Neste momento, o Governo de Angola não prioriza os interesses da maioria, mas a prioridade é um pequeno grupo de pessoas dentro do MPLA.

DW África: Em termos de política externa, qual deve ser o principal foco do novo Governo do MPLA na relação com os países vizinhos e os de língua portuguesa?

AV: A relação com os países que falam português vão ser normais, como no passado. Acho que, no Governo de João Lourenço, Angola vai melhorar mais a política voltada para a África Austral. E a política externa de Angola também dará grande importância à situação da República Democrática do Congo (RDC). Para Angola, não há país mais importante no mundo. E quando houver uma mudança de política externa depois das eleições, caberá ao Ministério dos Negócios Estrangeiros de Angola buscar uma solução para a relevante situação na RDC.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados