1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

MP português quer que Angola investigue subsidiária da Sonangol

Cabeças da companhia aérea Sonair seriam beneficiários em esquema de corrupção firmado com ex-quadros da TAP. Caso já é investigado em Portugal.

O Ministério Público de Portugal pediu ao seu homólogo em Angola que investigue pelo menos quatro suspeitos de serem beneficiários do esquema de corrupção entre a companhia aérea Sonair, subsidiária da petrolífera angolana Sonangol, e a transportadora aérea portuguesa TAP. O caso já é investigado pelas autoridades portuguesas.

Segundo informação à qual o jornal português Público teve acesso, na lista de suspeitos está Mirco Martins, enteado do vice-presidente angolano e ex-chefe da Sonangol, Manuel Vicente; e Zandre Finda, homem ligado aos negócios do General Kopelipa, chefe da Casa Militar do Presidente José Eduardo dos Santos.

Eles são suspeitos de criminalidade económico-financeira, uma vez que eram os beneficiários finais da Halifax Global Corporation e da Kennex Global, duas empresas com sede em paraísos fiscais, que recebiam as altas quantias de dinheiro pagas pela TAP à consultora que intermediava a sua prestação de serviços à Sonair.

Ainda de acordo com a reportagem do jornal Público, outras pessoas também são suspeitas de terem se beneficiado das quantias que, conforme apresentou a investigação do MP português, saíram da Sonair, passou pela TAP, depois seguiu para uma empresa intermadiária chamada Worldair – responsável pelo branqueamento – até chegar à offshores, cujos donos eram angolanos.

A acusação do MP refere pelo menos dois nomes: João Alves Andrade, ex-CEO da Sonair, e Luís Ferreira do Nascimento José Maria, ex-administrador executivo, suspeitos dos crimes de abuso de poder.

Jacdec Sicherheitsranking Luftfahrtgesellschaft TAP Portugal

Companhia aérea portuguesa recebia para supostamente prestar serviço de manutenção à Sonair

Em entrevista ao jornal Público, a procuradora-geral da República de Portugal, Joana Marques Vidal, afirmou que já encaminhou no mês passado uma cópia do processo ao seu homólogo em Angola, "para eventual abertura de investigação criminal".

Branqueamento de capitais

A investigação que é conduzida pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) verificou que, mediante um esquema de aparente prestação de serviços da TAP à Sonair, foi possível a colocação em Portugal, por parte da petrolífera angolana, de elevados montantes em dinheiro.

"A investigação apurou que a Sonair procedeu ao pagamento à TAP de um valor superior a 25 milhões de euros sem que tenha havido a prestação dos serviços aparentemente contratados", indica o DCIAP.

Três advogados e outras quatro pessoas que tiveram ligação à transportadora aérea portuguesa TAP, um deles como membro do Conselho de Administração, foram acusados pelo MP de Portugal de corrupção ativa com prejuízo no comércio internacional, branqueamento e falsificação de documentos.

A TAP não é arguida no processo, uma vez que realizou investigação interna que respondeu satisfatoriamente à investigação conduzida pelo MP.

Leia mais