1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Movimento quer acabar com analfabetismo no Parlamento da Guiné-Bissau

A "Plataforma Guiné Mindjor (Guiné Melhor)" reivindica a erradicação do analfabetismo nos dirigentes da Guiné-Bissau. Os ativistas querem que a próxima legislatura tenha outro perfil.

default

Parlamento da Guiné-Bissau

A plataforma de jovens pretende que depois das próximas eleições gerais o país tenha um Parlamento com nível mínimo de "preparo académico e político". Segundo os ativistas, a eleição de deputados que não sabem ler nem escrever é uma tradição.

Para o presidente do Conselho Nacional da Juventude, Dito Max, tal fenómeno tem condicionado o nível dos debates na Assembleia Nacional Popular.

"Nós temos, neste momento, um Parlamento em que a maioria dos representantes do povo é analfabeta ou semi-analfabeta. Nós entendemos que é importante que pessoas mais preparadas estejam na próxima legislatura. Como é possível uma pessoa analfabeta interpretar o programa do Governo ou o orçamento do Estado – que é o trabalho básico do Parlamento?"

Na opinião do deputado Octávio Lopes, advogado de profissão, ao excluir os analfabetos do Parlamento, o Estado guineense estará a fazer discriminação total e grave violação dos seus direitos fundamentais.

"Temos uma Assembleia diferente e temos que trabalhar para ter um país diferente. Aqueles que a própria lei e o Estado não possibilitam que tenham acesso à informação não podem ser discriminados [novamente]. Agora [viria] este mesmo Estado dizer que [estas pessoas] não podem estar disponíveis num órgão representativo", defende Lopes.

"O melhor Judiciário"

Octávio Lopes diz que, se o grau académico fosse o motor de desenvolvimento na Guiné-Bissau, o país teria um melhor sistema Judiciário - já que dispõe de 95% dos magistrados formados na Faculdade de Direito de Bissau. No entanto, trata-se, segundo o parlamentar, de "um dos piores sectores" da vida pública do país:

"Não é pelo fato de um tribunal ter só licenciados que faz com que o desempenho do tribunal seja diferente daquele que nós conhecemos. Se fosse uma questão de licenciatura, teríamos o melhor Sistema Judiciário da Costa Ocidental [da África]", opina Lopes.

Lehrerstreik in Guinea-Bissau

Última greve prejudicou ano letivo no país

Em reação, Júlio Vieira Inssumbu, do Ministério Público, insiste que se deve escolher deputados com base na sua formação acadêmica, como se faz noutros ramos da função pública:

"Para se entrar para a função pública, exige-se o mínimo de escolaridade. Para ser magistrado, exige-se o mínimo de escolaridade. Por que não se exige este mínimo em relação aos candidatos ao Parlamento. E quando se está ao ponto de se exigir, eles veem com a idéia de se estar a discriminar. Não há nada de discriminatório porque a constituição garante acesso gratuito às escolas", rebate Inssumbu.

Assinaturas através de carimbos

No debate realizado em Bissau para definir o perfil das lideranças políticas face ao desafio da reconstrução nacional, muitos participantes defenderam que os analfabetos sempre mandaram no país.

Foram citados exemplos de ministros que assinam com carimbo e deputados que aprovam leis. Todos não teriam sequer passado pelos bancos escolares. Através de seus versos, o poeta Atchó Express tenta transmitir uma mensagem de reconciliação.

"Problema: se não queres problema, evite o problema para não teres problema. Porque, se vieres a ter o problema, não irás resolver o problema. Aí vais criar problema em cada problema", recita Express.

Segundo dados divulgados em 2013 pelas Nações Unidas, o nível de analfabetismo na Guiné-Bissau é de 56%.

Ouvir o áudio 03:25

Movimento quer acabar com analfabetismo no Parlamento da Guiné-Bissau

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados