1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Morreu Nzita Tiago, líder histórico da resistência de Cabinda

Figura carismática da FLEC - Frente de Libertação do Enclave de Cabinda, Nzita Tiago tornou-se numa personagem incontornável em qualquer processo sobre o destino político de Cabinda. faleceu esta sexta-feira.

default

Nzita Tiago

O presidente e cofundador da Frente de Libertação do Enclave de Cabinda - Forças Armadas de Cabinda (FLEC/FAC), morreu na madrugada desta sexta-feira (03.06.) em Draveil, arredores de Paris, indicaram fontes familiares.

Nzita Tiago, de 88 anos, nasceu a 14 de julho de 1927 em Mboma Lubinda, Cabinda.

Depois de um longo período de atividade política no antigo Zaire (atual República Democrática do Congo), juntamente com Patrice Lumumba,Nzita Tiago, participou em 1963 na criação da FLEC em Ponta Negra, República do Congo.

Na véspera da independência de Angola, vendo que Cabinda não entraria no quadro da descolonização portuguesa, Nzita Tiago iniciou uma guerra de guerrilha contra as forças angolanas no enclave.

Com o desaparecimento de Nzita Tiago, levanta-se agora a escolha do sucessor e das novas lutas para a liderança do movimento.

FLEC/FAC decreta cessar-fogo de três meses

A direção interina da Frente de Libertação do Enclave de Cabinda - Forças Armadas de Cabinda (FLEC/FAC) decretou esta sexta-feira unilateralmente um cessar-fogo de três meses, após a morte do líder e cofundador do movimento Nzita Tiago.

Jean-Claude Nzita

Jean-Claude Nzita

"A luta continuará e nós decretamos um cessar-fogo por três meses", anunciou Jean-Claude Nzita, porta-voz do movimento independentista que luta pela secessão do enclave cabindês desde 1963, primeiro contra o regime colonial português (até 1975) e, depois, contra Luanda.

Jean-Claude Nzita disse, por outro lado, que a FLEC/FAC enviou, também esta sexta-feira, um pedido às autoridades de Luanda para que aceite reabrir o processo de negociações, após quase uma década de ausência de diálogo.

Durante as tréguas unilaterais, acrescentou, a FLEC/FAC vai suspender todas as atividades militares em Cabinda - "os nossos combatentes já foram informados da decisão" -, e convocar uma reunião da direção do movimento, de forma a eleger novo presidente.

Leia mais