1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique quer liderar mercado do gás

Moçambique tem grandes reservas de gás. No país debate-se como explorar este recurso de modo a que beneficie toda a população. E a nível internacional, o Governo procura posicionar-se estrategicamente no mercado mundial.

Neste contexto decorre desde o dia 2 e até 5 de dezembro, na capital, Maputo, a II Cimeira do Gás. Neste certame estão a ser debatidos vários assuntos relacionados a este recurso, como o futuro papel do país no mercado global de gás natural. O evento junta os principais líderes mundiais da indústria de gás natural, incluindo representantes de governos, operadores da indústria, investidores, distribuidores e compradores.

Moçambique acredita que vai desempenhar um papel de suma importância na oferta do gás natural no mundo. Por isso os responsáveis esforçam-se por acelerar o processo de exploração. Há muito gás para consumir e para vender, e a expetativa do lado da oferta é enorme diz Titos Nhabomba da ENH, Empresa Nacional de Hidrocarbonetos. O especialista acredita que a quantidade de gás que Moçambique tem é superior à capacidade de absorção do mercado interno: “Então tem que se pensar também no mercado internacional, também por questões económicas e de preço. É nesta perspetiva que se deve fazer o desenvolvimento de mercado integrado”.

A busca pelas melhores práticas

Mosambik Inhambane Boote

Faltam infra-estruturas importantes em Moçambique

Moçambique está a explorar o setor de hidrocarbonetos numa altura em que o mundo está a busca de novas formas de desenvolver esta indústria, acrescenta Nhabomba: “O que nós estamos a fazer é buscar as melhoras práticas na indústria. Estamos a firmar parcerias importantes com instituições de formação. Muitos moçambicanos encontram-se na diáspora para formação. E pensamos que estamos em condições de passar a contar com técnicos moçambicanos que possam dar o seu contributo”

Os empresários do setor do gás não têm dúvidas sobre o futuro económico do país. Paulo Araújo diz que Moçambique terá um grande mercado para o gás: “Toda a gente está de olhos postos em Moçambique. Os primeiros passos estão a ser dados. O mercado começa a ficar consolidado. E é uma aposta para o futuro”.

Criar infra-estruturas

Mas as grandes dificuldades que Moçambique enfrenta neste momento são as infra-estruturas. Para uma indústria desta envergadura, o país tem de construir infra-estruturas adequadas, diz ainda Paulo Araújo: “Esses passos já estão a ser dados. Os projetos já estão a ser implementados no terreno. Mas, de facto, a primeira grande dificuldade serão as infra-estruturas e também a mão-de-obra”.

O empresário aconselha ainda as pequenas e médias empresas moçambicanas a serem mais agressivas no processo de produção de gás natural.

Ouvir o áudio 02:45

Moçambique quer liderar mercado do gás

É que, além da intervenção do empresariado moçambicano, há que apostar na formação da mão-de-obra local: “Uma vez que este grande investimento necessita do apoio e da mão-de-obra locais. Há que formar as pessoas. O que também é bom para Moçambique, que vai potenciar grandes empregos e um futuro mais risonho para toda a gente”.

O encontro desta quarta-feira (03.12) trás como principais pontos para debate o Plano Director de Gás Natural de Moçambique; reservas de gás natural e seu impacto no desenvolvimento e nas economias, mercados e concorrência, preços de gás.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados