1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Moçambique melhora e Angola piora no índice Bertelsmann de democracia

Um estudo da organização alemã Bertelsmann mostra que protestos e demonstrações não diminuirão nos próximos anos no mundo. A observação é feita com base no índice de desenvolvimento democrático da fundação.

Tudo indica que o mundo não se tornou mais democrático. Embora muitos países tenham melhorado economicamente nos últimos dois anos, somente uma pequena elite econômica beneficia-se do progresso.

O déficit democrático e a falta de reformas sociais são os principais motivos para que cidadãos saiam às ruas para protestar. O Índice Bertelsmann mede o desenvolvimento da democracia e do mercado em 129 países classificados como "em desenvolvimento" ou em "fase de transformação".

Entre os piores colocados no quesito democracia está a Somália na posição 129, Eritréia, na 128 e a Coréia do Norte na 127. Angola está na posição 97 e Moçambique, 70.

Com relação ás análises do índice de 2012, Moçambique permanece estável, com uma leve melhora da posição 72 para a 70. Siegmar Schmidt, professor da Universidade de Koblenz analisou para a DW Africa a piora do desenvolvimento democrático em Angola, que no relatório de 2012 estava na posição 83.

"Reação histérica"

Ele chama Angola de o "grande perdedor" dentro do seu grupo. "Nós classificamos Angola como uma autocracia moderada. Por que fazemos isso? Uma das razões é que as últimas eleições não foram livres e justas", explica.

Demonstration gegen Entführungen und Krieg in Maputo

Manifestação pela paz em Maputo

Para Schmidt, Angola é um país difícil de ser avaliado. "Nosso examinador em Angola afirma que as eleições não foram livres. Angola foi o grande perdedor do ranking e o clima é menos liberal que anteriormente”, salienta.

A forte repressão das manifestações em Angola também contribuiu para a piora do seu desenvolvimento democrático.

Conforme a pesquisa, tanto em Angola como em Moçambique houve protestos nos últimos tempos e o regime em Angola, principalmente, reagiu de modo completamente exagerado, "praticamente histérico", conforme Schimidt.

"Ficou uma impressão de que poderia ocorrer como nos países do Norte da África. Tentou-se rapidamente reprimir tais movimentos, agiu-se rapidamente contra os direitos da sociedade civil”, lembra.

Movimento tímido

No relatório de 2014, a instituição chega à conclusão de que desigualdade social e pobreza permanecem nos 129 países em análise, mas, por outro lado, identifica-se uma sociedade civil mais consciente e maior resistência à corrupção e má administração. No caso de Angola e Moçambique, no entanto, Schmidt ainda não vê a formação de um forte movimento popular.

Angola - Demonstration in Benguela

Protesto organizado em Benguela

O pesquisador explica que os regimes ficam receosos e temem que esses protestos tornem-se um movimento popular, difícil de controlar. "Pelos índices da Bertelsmann, eu não vejo nenhum indício de formação de um movimento popular. O controle é muito forte", explica Schmidt.

Ele salienta que, em Moçambique, há sempre o trauma da guerra civil, em Angola também parcialmente. As pessoas estariam insatisfeitas com o sistema, mas, ao mesmo tempo, não querem mais instabilidade e violência.

"Isso gera uma posição de distanciamento quando se fala em organização das massas e protestos”, destaca. Outro fator importante apontado pelo índice é de que a capacidade para administrar conflitos nos 129 países piorou.

Conforme o diretor de proejtos da Fundação Bertelsmann, Hauke Hartmanna, é preciso perguntar-se qual forma de diálogo democrático que se quer para o futuro. "Por um lado, dar o espaço necessário aos legítimos protestos da sociedade civil sem danificar as instituições democráticas", opina.

Ouvir o áudio 03:34

Moçambique melhora e Angola piora no índice Bertelsmann de democracia

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados