1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Líder do MDM condena distanciamento de membros do partido

No começo do II Congresso do MDM em Nampula, o seu líder apelou à unidade e coesão. O evento ocorre numa altura em que a segunda maior força da oposição atravessa uma crise, em especial no lugar onde decorre o congresso.

default

Daviz Simango, líder do MDM

A crise política interna do Movimento Democrático de Moçambique (MDM) dominou a abertura do segundo congresso do partido nesta terça-feira (05.12.). Na província nortenha de Nampula, a crise agudizou-se com o assassinato do edil Mahamudo Amurane e com a escolha do candidato menos votado no partido para concorrer às eleições intercalares de 24 de janeiro.

O líder da segunda maior força da oposição, Daviz Simango, condenou o comportamento de alguns dos seus colegas que se têm distanciado das ideologias do partido.

 Mosambik II Kongress von MDM Partei in Nampula

II Congresso do MDM em Nampula

"São oito anos de muito sacrifício e nessa caminhada há valores que são inegociáveis. Todos gozamos dos mesmos princípios e valores, somos todos iguais enquanto membros do MDM", disse.

Simango foi mais longe ao afirmar que "não podemos destruir a confiança mútua pela fragmentação individualista. Não podemos destruir aquilo que construímos com muito sacrifício".

Problemas do país também na agenda do MDM

O líder do MDM voltou a defender a revisão da Constituição da República para a eleição de governadores provinciais e para reduzir os poderes do chefe do Estado. Além disso, pediu a inclusão do partido nos grupos de diálogo para o alcance da paz efetiva no país.

Ouvir o áudio 03:17

Daviz Simango diz não a "fragmentação individualista"

No congresso do MDM participam mais de mil delegados e convidados.

A Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) foi representada pelo chefe do Departamento dos Assuntos Sociais do Comité Central, Samuel Massango, que pediu para que se discuta no congresso temas que possam contribuir para o desenvolvimento do país.

Para o representante do partido no poder, "com este congresso, a democracia vai-se consolidar ainda mais''.

CASA-CE inspira-se para as autárquicas em Angola

Outro dos convidados foi a Convergência Ampla de Salvação de Angola - Coligação Eleitoral (CASA-CE), representada pelo seu líder Abel Chivukuvuku, que desejou a vitória do MDM nas eleições de janeiro. E Chivukuvuku apelou: "Pelos moçambicanos, não cruzem os braços. Vêm aí as eleições intercalares, voltem a ganhar as eleições de Nampula do próximo ano."

Abel Chivukuvuku

Abel Chivukuvuku, líder da CASA-CE

Angola poderá realizar as primeiras eleições autárquicas já em 2019 e Abel Chivukuvuku aproveitou a ocasião para pedir apoio ao MDM.

"Vou pedir ao presidente Daviz Simango para que a CASA-CE possa enviar para a cidade da Beira, durante o ano de 2018, uma equipa de dirigentes para aprenderem e colherem ensinamentos da vossa experiência do exercício de poder local", afirmou.

No congresso do MDM, que termina na sexta-feira (08.12), serão eleitos novos membros do Conselho Nacional e o presidente do partido. Definir-se-ão ainda estratégias para as eleições autárquicas e presidenciais de 2018 e 2019, respetivamente.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados