Moçambique: Gasolina e gasóleo mais caros, gás doméstico mais barato | Moçambique | DW | 17.05.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Gasolina e gasóleo mais caros, gás doméstico mais barato

Governo moçambicano anuncia subida de preços de gasolina e gasóleo, que ficam entre 1 e 2 meticais mais caros por litro. Pelo contrário, gás doméstico  fica mais barato.

No âmbito da revisão mensal dos preços dos combustíveis, o Governo moçambicano anunciou que o custo da gasolina sobe 1,6%, de 65,01 para 66,03 meticais (0.92€), enquanto o preço do gasóleo passa de 61,16 para 62,92 meticais por litro (0.88€), ou seja, mais 3%. É uma subida inferior à registada em março, que deixou a população desagradada, uma vez que os salários não acompanham o aumento do custo de vida. 

Em sentido contrário, as famílias vão poder poupar no gás doméstico, que passa de 65,18 para 60,94 meticais (0.85€), registando uma queda de 6,5%.  

O ajustamento mensal, previsto na lei, acontece sempre que se verifique uma variação do preço-base dos combustíveis superior a 3% (por via de variações da cotação internacional ou do câmbio do metical) ou em caso de alteração dos impostos.

Mosambik öffentlicher Verkehr, Busfahrten | Praça dos Combatentes in Maputo

Subsído de gasóleo para "chapas" pode vir a terminar gradualmente

Subsídios governamentais

O Governo continua a subsidiar o gasóleo para determinados fins, como utilização agrícola, pesca artesanal e produção de energia em locais isolados, longe da rede pública.

O mesmo se aplica a viaturas ligeiras com mais de cinco lugares (designadas "chapas"), usadas como transportes públicos na maioria do país.

Os "chapas”  abastecem a 31 meticais por litro (0.47€), referiu na quarta-feira (16.05) Moisés Paulino, diretor Nacional de Hidrocarbonetos e Combustíveis no Ministério dos Recursos Minerais e Energia, durante a conferência de imprensa de anúncio da revisão mensal de preços.

Moisés Paulino acrescentou que aquele subsídio será abandonado gradualmente com a entrada em circulação de autocarros entregues pelo Governo aos operadores de sistemas de transportes.

 

Leia mais