Moçambique: Empossado primeiro edil da RENAMO em Nampula | Moçambique | DW | 18.04.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Empossado primeiro edil da RENAMO em Nampula

A cidade de Nampula conta desde esta quarta-feira (18.04) com um novo edil, Paulo Vahanle da RENAMO. O Governo promete cooperar com o autarca para o bem do povo e a RENAMO está certa de que um ciclo de vitórias se abre.

default

Paulo Vahanle na cerimónia de empossamento

Depois de vários anos sem a RENAMO, maior partido da oposição, na liderança de um município em Moçambique, Paulo Vahanle tomou posse nesta quarta-feira (18.04.). O edil vai presidir a cidade de Nampula por um período de apenas cinco meses, ou seja, até à realização das eleições autárquicas, marcadas para outubro de 2018.

E na cerimónia de empossamento ele prestou juramento: "Eu Paulo Vahanle juro por minha honra servir fielmente o Município de Nampula e dedicar todas as minhas energias ao serviço dos munícipes e de respeitar a Constituição da Republica."

O Município de Nampula, com mais de um milhão de habitantes, era gerido interinamente pelo presidente da Assembleia Municipal, Américo Iemenle na sequência do assassinato do autarca Mahamudo Amurane a 4 de outubro de 2017, por indivíduos até agora desconhecidos.

Na cerimónia de tomada de posse do novo edil, Américo Iemenle disse que "a cidade de Nampula aguarda com enorme expetativa a governação de Paulo Vahanle e está ciente de que tudo fará para o desenvolvimento da capital do norte elevando bem alto a bandeira de Nampula e do seu povo."

Governo garante apoio, mas deixa um alerta

Mosambik Amtseinführung von Paulo Vahanle in Nampula

Cerimónia de empossamento do edil de Nampula

O Governo moçambicano, representado pela ministra do Trabalho, Emprego e Segurança, Vitoria Diogo, garantiu por seu turno o apoio necessário a Paulo Vahanle e ao seu governo municipal: "Reiteramos o nosso comprometimento em apoiar os órgãos municipais e a população para que Nampula continue a realizar com sucesso o seu programa de desenvolvimento económico e social."

Mas Diogo alertou: "Recordamos que, apesar dos órgãos autárquicos terem competências próprias legalmente definidas, devem pautar pelo trabalho conjunto e de complementaridade incluindo a articulação e cooperação com os órgãos locais do Estado com vista a proporcionar o desenvolvimento harmonioso do Município."

No seu discurso já como presidente do Município, Paulo Vahanle agradeceu o voto e a confiança dos cidadãos e dedicou a sua vitoria ao líder da RENAMO, Afonso Dhlakama.

Vahanle apontou ainda algumas prioridades do seu mandato à frente da edilidade, tendo destacado "a inclusão, a boa e participativa governação, o respeito pelo bem público e não a corrupção."

O novo edil promete: " O nosso compromisso é tornar a cidade de Nampula a nossa casa onde cada munícipe faz e dá o melhor de si para a beleza e conservação da nossa urbe. Queremos uma cidade de Nampula limpa, tranquila segura e transformada num jardim onde os munícipes possam orgulhar-se de ser nampulenses."

MDM acredita em mudanças

Ouvir o áudio 04:00
Ao vivo agora
04:00 min

Moçambique: Empossado primeiro edil da RENAMO em Nampula

O Movimento Democrático de Moçambique (MDM), a segunda maior força da oposição, que liderou a cidade de Nampula de 2013 até agora, e que apoiou a campanha de Paulo Vahanle, acredita que a cidade vai conhecer mudanças.

"Os munícipes da cidade de Nampula têm uma oportunidade de mais uma vez serem bem servidos, ou seja serem bem governados", considera Vasco Napaua, delegado provincial do MDM.

Recorde-se que esta é a primeira vez que a RENAMO governa a cidade de Nampula, não obstante tenha já dirigido os municípios de Nacala, Ilha de Moçambique e Angoche, três dos sete municípios da província de Nampula.

Manuel Bissopo, Secretário-geral daquele partido, considera que o regresso do seu partido à governação abre mais oportunidades à expansão da liderança da RENAMO no país e lembra: "Nós não concorremos em 2013 porque não concordávamos com o figurino da lei eleitoral, mas porque já se ultrapassou este assunto, concorremos desta vez e demonstramos a nossa capacidade. Esperamos que nos próximos [processos eleitorais] continuemos com a mesma marca em todo o país."

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados