1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Moçambique e Angola afetados por suspensão de fundos brasileiros

Banco Nacional de Desenvolvimento Económico e Social do Brasil (BNDES) revê financiamentos a empreiteiras denunciadas por corrupção. Obras importantes em Moçambique e Angola serão prejudicadas.

Staudämme Cambambe I und II am Rio Kwanza Angola (Voith Hydro)

Barragem de Cambambe na província angolana do Cuanza Norte

O Banco Nacional de Desenvolvimento Económico e Social do Brasil (BNDES) congelou o financiamento a projetos de empresas brasileiras em vários países, investigadas no esquema de corrupção conhecido como "Lava Jato". Ao todo, são 25 suspensões, incluindo em quatro obras em Angola e um projeto em Moçambique. O banco não avançou uma data para o fim da suspensão dos fundos, que começou em maio, mas só agora foi anunciada.

Segundo o diretor da área de comércio exterior do BNDES, Ricardo Ramos, oapoio às empreiteiras será reavaliado. "Suspendemos os desembolsos dos contratos de financiamento, mas pelo que podemos perceber as obras continuam - num ritmo mais lento, mas continuam", diz o responsável em entrevista à DW.

Angola Organisation Odebrecht Baustelle

Angola já está à procura financiamento alternativo

O engenheiro e académico moçambicano Carmo Vaz vê esta suspensão dos fundos como um problema para o seu país: "É uma má notícia porque a barragem de Moamba Major é um projeto estratégico para Moçambique , para garantir o abastecimento futuro da água do Grande Maputo".

Em Moçambique, será afetada apenas a obra da barragem de Moamba Major, onde o financiamento do BNDES seria de cerca de 291 milhões de euros. Já em Angola, foi suspenso o desembolso de aproximadamente 731 milhões de euros para o Pólo Agroindustrial de Capanda, o Aproveitamento Hidroelétrico de Laúca, o alteamento e a segunda central da barragem de Cambambe.

Alternativas

O Governo de Angola já está à procura de soluções alternativas de financiamentos à suspensão dos fundos brasileiros, segundo informações da agência de notícias Lusa. Mas ainda persiste o dilema para países que dependem desses financiamentos estrangeiros para importantes obras de infraestrutura.

O economista moçambicano Ibrahim Mussagy diz que, para reverter a situação em África, também os governos locais devem fortalecer as suas instituições, hoje vistas como vulneráveis e atrativas para empresas envolvidas em corrupção.

Ouvir o áudio 02:22

​ ​Moçambique e Angola afetados por suspensão de fundos brasileiros

"Estudos mostram que grande parte desses países [em África] tem atraído algum tipo de investimento porque as regras e as instituições são fracas. E são fracas porque são, de facto, corruptas".

Além das obras em Angola e Moçambique, foram suspensos desembolsos de financiamentos para dois projetos na Argentina, um em Cuba, um no Gana, um na Guatemala, um nas Honduras, sete na República Dominicana e sete na Venezuela.

São financiamentos das empresas brasileiras Odebrecht, OAS, Queiroz Galvão, Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez, todas investigadas no âmbito da operação "Lava Jato".

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados