1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Donativos não chegam a afetados pelo ciclone Dineo

Um mês depois do ciclone Dineo ter afetado o sul de Moçambique, residentes queixam-se que donativos são canalizados para apoiantes da FRELIMO. INGC promete investigar as denúncias.

Os residentes da província de Inhambane estão a reclamar falta de apoio depois da passagem do ciclone Dineo que assolou a região a 15 de fevereiro, tendo provocado sete vítimas mortais e desalojado centenas de pessoas, segundo o último relatório do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC).

Donativos enviados por pessoas, Organizações Não-Governamentais e pelo próprio Governo estão a ser entregues para apoiar as vítimas da tempestade mas, segundo Fernando Guta, residente no bairro de Macupula, na cidade da Maxixe, há várias comunidades onde ninguém está a ser beneficiado. O cidadão dá como exemplo comunidades nas cidades de Maxixe e Inhambane.

Mosambik Ein Monat nach Zyklon Dineo (DW/L. da Conceição)

Ainda são visíveis os estragos causados pelo ciclone Dineo

Em declarações à DW África, Guta nota que as "pessoas não estão satisfeitas com a distribuição que é feita”.

"O que funciona muito é a cor partidária. O mais grave ainda é que só falta ao partido no poder exigir o cartão de militante para poder distribuir as ajudas. Se for pelo sofrimento causado pelo ciclone, é para toda gente. Não há quem não tenha sofrido", acrescenta.

Promessa de investigação

Os apoios para os afetados pela tempestade estão a ser distribuídos pelo INGC, através de vários parceiros. Segundo Elsa Macul, residente na cidade de Inhambane, só os familiares do organismo estão a ser ajudados.

Ouvir o áudio 02:38

Moçambique: Donativos não chegam a afetados pelo ciclone Dineo

"É lógico, distribuem-se os apoios entre as famílias. Primeiro consideram os netos, as filhas, os filhos e por aí adiante e só no fim pensam na população. O que a população ganha neste caso? Só ganha aquelas migalhas de meio copito, um copito. Em que país estamos? ”, questiona Elsa Macul.

Face a estas críticas, o porta-voz do INGC, João Nhatitima, admite que são situações que podem "estar a acontecer no terreno” e promete investigar essas denúncias.

"Neste momento, o que se sabe é que em cada ponto onde os produtos são distribuídos tem um sistema de controlo. Provavelmente podem existir alguns casos isolados e o INGC terá que fazer uma avaliação para perceber o que de fato terá ou estará a acontecer”, afirma.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados