Moçambique: Aumenta a caça furtiva no Parque Nacional de Zinave | Moçambique | DW | 25.05.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Aumenta a caça furtiva no Parque Nacional de Zinave

Só este mês, os gestores do parque entregaram à polícia mais de 140 armas apreendidas. Líder comunitário da região pede a realização de uma cerimónia tradicional para acabar com conflitos entre a comunidade e o parque.

default

Governador de Inhambane, Daniel Chapo, discursando para comunidade e fiscais do Parque Nacional de Zinave

Devido à seca e à baixa produção nas machambas durante a época agrícola, a população tem invadido o Parque Nacional de Zinave, no distrito de Mabote, matando animais com pontas de marfim. A carne é para comer, mas também para vender. O administrador do parque, António Abacar, está preocupado com os caçadores furtivos, que comprometem o desenvolvimento da região.

"No dia 3 de maio estivemos a entregar no comando da Polícia da República de Moçambique cerca de 147 armas apreendidas aqui no Parque Nacional de Zinave nos últimos três anos, mas nós estamos a trabalhar no processo de sensibilização das comunidades. Os caçadores furtivos que estão na cadeia muitas vezes não pagam as multas porque não têm capacidade", conta António Bacar.

O Parque Nacional de Zinave esteve encerrado durante vários anos devido à guerra civil, que durou 16 anos, e só voltou a abrir em 2016. Até agora, já foram investidos mais de cinco milhões de euros no parque, em repovoamento de animais e outras atividades.

Este ano, a BIOFUND - Fundação para a Conservação da Biodiversidade - assinou um acordo de parceria com o parque, que já recebeu 15 milhões de meticais (cerca de 210 mil euros) para fiscalização.

Ouvir o áudio 03:06
Ao vivo agora
03:06 min

Moçambique: Aumenta a caça furtiva no Parque Nacional de Zinave

Tradições, fiscalização e colaboração para acabar com a caça furtiva

Roberto Gimo, líder comunitário que controla todo o território onde se encontra o parque, sugere que se realize uma cerimónia tradicional para pôr fim aos conflitos entre a comunidade e o parque: "Sou régulo do Zinave, de Manica até Gaza, não podemos matar os animais porque é o nosso futuro. Estamos para fazer a cerimónia segundo a nossa tradição, eles devem convidar a população e líderes, para isso estar 100%".

O governador de Inhambane, Daniel Chapo, encoraja os gestores do Parque Nacional de Zinave a continuar a fiscalização: "Sabemos que estão a fazer excelente trabalho na recolha sobretudo das armas principalmente de fabrico caseiro e este trabalho deve continuar. As comunidades devem ter consciência que esta riqueza é de todos os moçambicanos para gerar receitas para os cofres do Estado".

Simão Machava, porta-voz do comando provincial da Polícia de Moçambique em Inhambane, deixa um apelo aos portadores de armas e pede a colaboração da comunidade: "Sejam elas de fabrico caseiro ou convencional essas armas devem ser entregues e quando é de forma voluntária, a pessoa tem tido um tratamento especial. Alguém que possua de forma ilegal uma arma de fogo deve ser denunciado à unidade policial mais próxima."

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados