1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambicanos otimistas com nova missão do FMI ao país

Missão do Fundo Monetário Internacional chegou a Moçambique para iniciar discussões sobre um novo programa. Moçambicanos esperam que visita contribua para restaurar a confiança junto dos parceiros internacionais.

A delegação do Fundo Monetário Internacional que chegou a Maputo esta quinta-feira (01.12.) vai permanecer em Moçambique durante  12 dias e é liderada por Michel Lazare, chefe de missão do FMI para Moçambique. As discussões vão prolongar-se até ao primeiro trimestre de 2017.

O início das negociações  sobre um novo programa do FMI  a Moçambique acontece dois  mêses  depois do país ter solicitado àquele organismo (em setembro de 2016 ) a retoma das discussões sobre o apoio financiamento com a maior brevidade possível.

O FMI considera que na sequência de um historial de implementação de políticas macroeconómicas sólidas e o começo a breve trecho do processo de auditoria contribuíram para criar as condições para o reinício das negociações.

Recorde-se, que a ajuda do FMI a Moçambique se encontra suspensa depois da descoberta de dívidas contraídas por três empresas com garantias do Governo, sem o conhecimento do Parlamento e dos parceiros internacionais.

Ao analisar recentemente (21.11.16) um relatório sobre estas dívidas, o Conselho de Administração do FMI  , considerou que tendo em conta que os empréstimos foram contraídos de 2012 a 2015, a penalização ao país retroagiria aos Programas de Suporte de Políticas, (Policy suport instrument) relativos ao período de 2010 a 2016.

Medidas fiscais e monetárias adotadas

O Conselho de Administração saudou as medidas fiscais e monetárias, para garantir o retorno ao equilíbrio macroeconómico, contrariando os efeitos negativos derivados da suspensão do financiamento ao Orçamento do Estado e a programas sectoriais, por parte dos parceiros de cooperaçao no início do corrente ano.

Saudou por outro lado, o início da auditoria internacional independente aos empréstimos contraídos pelas empresas com garantia do Estado e as medidas em curso para introdução de reformas que visam melhorar a gestão da dívida.Destacou ainda o  reforço de requisitos para a emissão de garantias para empréstimos, bem como o aumento da transparência na contratação de divida pública.
O FMI exortou as autoridades moçambicanas a implementarem as medidas já acordadas de forma abrangente e em tempo útil.

Na sequência das medidas implementadas desde abril de 2016 e as que estão em curso, o Conselho de Administração do FMI decidiu que não exigirá nenhuma outra ação corretiva a Moçambique.

Ajuda condicionada pelas regras do FMI

Entretanto, apesar dos elogios do FMI às medidas tomadas recentemente pelo Governo, o reatamento da ajuda a Moçambique está condicionado pelas regras do Fundo, que impedem ajuda financeira a um país com 'debt distress', ou seja, com dívida em esforço ou problemática. Para avaliar esta dívida, o FMI recorre a cinco indicadores que Moçambique não cumpre.

 Segundo dados oficiais após a divulgação do escândalo dos empréstimos escondidos, a dívida pública de Moçambique disparou para os 130% do Produto Interno Bruto.

Moçambicanos otimistas

A DW África saiu à rua para colher a opinião de alguns citadinos de Maputo sobre a sua expetativa em relação a visita da missão do FMI.

Gustavo Mavie  considera importante o diálogo entre as duas partes e afirma que se trata de "uma coisa bem vinda. Mantendo-se o diálogo entre o Governo moçambicano e o FMI acho que chegarão a um ponto em que poderão se entender e desbloquear este impasse em que se encontram desde que se descobriram as chamadas dívidas ocultas.

Reginalda Million espera que a visita do FMI "contribua para restabelecer a confiança de Moçambique junto dos parceirosinternacionais e que estes retomem a ajuda ao país, porque o custo de vida está cada vez mais elevado e insustentável”.

Ouvir o áudio 02:30

Moçambicanos otimistas com nova missão do FMI ao país

Já Elias Eduardo considera que "se houver mudanças não vai ser neste momento, mas no mínimo daqui a três ou quatro mêses. Agora eu acredito que eles vêm cá para fazer uma avaliação do que já foi feito e do que é necessário fazer”.

Alberto Alexandre está otimista e acha que "vai ter bons resultados, já que o Governo moçambicano está a cooperar com o FMI, sobretudo o ex-Chefe de Estado (Armando Guebuza) que tem sido visto como culpado na contração das dívidas com a garantia do seu Governo foi ouvido pela Comissão Parlamentar de Inquérito. O próprio Banco de Moçambique está a tomar medidas e a auditoria internacional está em curso. "


 

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados