1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Moçambicanos esperam um novo ano sem crises

Residentes na província moçambicana de Inhambane pedem ao Governo e à RENAMO para respeitarem a Constituição da República. E que façam algo para travar a derrapagem do metical e a subida do preço dos produtos básicos.

2017 vai ser um ano bom se o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi e o líder do maior partido da oposição, Afonso Dhakama, se sentarem à mesma mesa e conseguirem resolver todas as crises que assolam o país: a crise político-militar e a crise económica.

"O Governo e a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) devem sentar-se e conversar, ter uma solução para a crise económica e mudar os preços. Talvez mudaria alguma coisa", diz a cidadã Onélia Omar.

Sandra José, residente no distrito de Homoíne, pede ao Governo moçambicano que, em 2017, trabalhe lado a lado com os comerciantes para fiscalizar os preços e impedir a especulação. "Fazerem trabalho mesmo, andarem a fiscalizar, ver quais são os preços que os comerciantes fazem, porque cada pessoa aplica o preço que acha", queixa-se. "Hoje uma coisa está a 250 meticais e amanhã a mesma coisa custa já 300 meticais", exemplifica Sandra José.

Ultrapassar a crise

Tofane Abibo diz que a população está ansiosa para saber o que o Governo vai fazer para ultrapassar a crise económica. Este residente na cidade de Maxixe espera também que 2017 traga o fim efetivo da tensão político-militar entre as forças do Governo e da RENAMO.

Ouvir o áudio 02:29

Moçambicanos esperam um novo ano sem crises

"Esperamos que aqueles que são senhores de guerra nas duas partes entrem em negociações e haja paz", afirma Tofane Abibo, acrescentando que esse seria "o maior ganho para o povo moçambicano" no próximo ano.

"Esperamos que esta trégua anunciada no dia 27 de dezembro seja um prenúncio de um bom começo para a estabilidade nacional."

Ismael Mussagy, residente em Inhambane, não está tão otimista. Ele diz que Moçambique não é um país totalmente democrático, porque as pessoas ainda vivem com medo de perseguições e assassinatos. Mussagy prevê que o ano de 2017 seja ainda pior, "porque a situação está a ramificar-se".

Mussagy lembra que há jornalistas e comentadores que são perseguidos no país. Pede ainda que "de facto, a Constituição da República seja respeitada, como o Corão para os muçulmanos e a Bíblia para os cristãos. Só então é que haverá uma paz real e efetiva".

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados