1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambicano recebe Prémio da Paz de Aachen

Lumbela Azarias Zacarias foi um dos galardoados com o prémio, que distingue anualmente pessoas que lutam pela paz e pelo desenvolvimento. O moçambicano pertence a um grupo de estudantes que ajuda refugiados em Marrocos.

default

Estudante moçambicano Lumbela Azarias Zacarias

Lumbela Azarias Zacarias foi um dos três estudantes que viajou até Aachen para receber pessoalmente, esta terça-feira (01.09), o Prémio da Paz.

O moçambicano está a fazer um doutoramento em Direito Internacional e faz parte de um grupo de estudantes que ajuda refugiados africanos em Oujda, no nordeste de Marrocos, a cerca de 150 quilómetros do enclave espanhol de Melilla.

"Todas estas pessoas tiveram de deixar o seu país. Não há só analfabetos, há também médicos entre eles", diz Zacarias.

Verleihung des Aachener Friedenspreises 2015 Studenten Initiative Marokko

Três estudantes galardoados: "É dever de cada um de nós fazer alguma coisa para ajudar"

Ele e os colegas distribuem alimentos, tendas e lonas de plástico para o abrigo dos refugiados e acompanham-nos ao médico. O apoio só é tolerado pelo Estado marroquino, porque os estudantes trabalham com a Igreja. Segundo o estudante Moçambicano, em Marrocos, os refugiados costumam ser vítimas de ataques racistas e da violência policial.

"As pessoas sofrem em Marrocos. Quem tem a pele mais clara tem mais privilégios do que quem tem a pele mais escura. É dever de cada um de nós fazer alguma coisa para ajudar essa população."

O maior desejo dos estudantes homenageados em Aachen: Que as novas gerações africanas promovam reformas nos seus países de origem para que não haja migrantes em necessidade no futuro.

Prémio para arcebispo e imã da RCA

O grupo de estudantes de Lumbela Azarias Zacarias partilhou o Prémio da Paz de Aachen deb 2015 com o arcebispo Dieudonné Nzapalainga e o imã Kobine Layama, da República Centro-Africana.

Verleihung des Aachener Friedenspreises 2015 Kobine Layama Dieudonné Nzapalainga

O imã Kobine Layama e o arcebispo Dieudonné Nzapalainga

Ambos lutam pela reconciliação entre cristãos e muçulmanos, depois de mais de dois anos de conflitos sectários no país. Milhares de pessoas morreram devido aos confrontos envolvendo os ex-rebeldes Séléka (maioritariamente da minoria muçulmana) e as milícias cristãs "anti-balaka".

"Quando deflagrou esta crise, no final de 2012 e início de 2013, o arcebispo abrigou o imã e a família, tal como outros 10 mil refugiados, no seu território. Nasceu aí uma amizade pessoal, e eles desenvolveram uma luta conjunta, que considero ser um grande exemplo para outras pessoas", diz Leila Vannahme, membro da organização do Prémio da Paz.

O imã Kobine Layama diz que a distinção é uma oportunidade para mostrar ao mundo que, mesmo durante uma guerra civil, o compromisso com a paz é possível.

"Este prémio deve fortalecer-nos e motivar-nos a lembrar todos os nossos compatriotas que, na República Centro-Africana, ainda há quem se esforce pela paz."

Ouvir o áudio 04:21

Moçambicano recebe Prémio da Paz de Aachen

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados