1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Ministro do Chade eleito presidente da Comissão da União Africana

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Chade, Moussa Faki Mahamat, foi eleito como novo presidente da Comissão da União Africana (UA), o cargo executivo mais importante da organização africana.

Äthiopien Treffen Afrikanische Union - Tschad Außenminister Moussa Faki (picture-alliance/Anadolu Agency/M. Wondimu Hailu)

Moussa Faki Mahamat

Moussa Faki Mahamat, que figurava entre os favoritos ao cargo, conseguiu esta segunda-feira (30.01) o lugar depois de sete voltas de votação, tendo como principal adversária a ministra de Negócios Estrangeiros do Quénia, Amina Mohammed.

Na reunião prévia desta instituição, celebrada em julho na capital do Ruanda, Kigali, nenhum dos três concorrentes (entre os quais não figuravam o chadiano e a queniana) conseguiu dois terços dos votos requeridos para conseguir a maioria (36 dos 54 países que integram atualmente a UA).

Moussa Faki Mahamat é um reconhecido diplomata com experiência na resolução de conflitos e na luta contra o terrorismo, tendo estado à frente da pasta dos Negócios Estrangeiros do Chade nos últimos nove anos.

Bloco do Sahel e da África Central

Mahamat representa o bloco dos países do Sahel e da África Central e substitui a atual presidente da UA, a sul-africana Nkosazana Dlamini Zuma, que recusou disputar um segundo mandato.

Äthiopien Debatte der Präsidentschaftskandidaten der Kommission der Afrikanischen Union
(DW/C. Wanjohi)

Chefe da diplomacia do Quénia, Amina Mohammed

A UA atravessa um momento crítico e tem ainda ao seu encargo um trabalho intenso, que inclui a execução da chamada Agenda 2063, que visa promover o desenvolvimento económico e social do continente para alcançar a sua independência financeira.

Representantes diplomáticos, ministros e chefes de Estado africanos estão reunidos desde 22 de janeiro na capital da Etiópia, onde também devem decidir sobre o pedido de reintegração de Marrocos à instituição africana.

Apoios ao Marrocos

O Marrocos tem o "apoio incondicional" de 42 países africanos para ser readmitido na União Africana (UA), disse à agência noticiosa France Presse (AFP) uma fonte diplomática marroquina. 

Äthiopien Treffen Afrikanische Union - Tschad Außenminister Moussa Faki (picture-alliance/Anadolu Agency/M. Wondimu Hailu)

Cimeira da União Africana em Adis Abeba

Em julho passado, o Marrocos tinha anunciado que pretendia reintegrar a UA, que deixou em 1984, em protesto pela admissão da República Árabe Saaraui Democrática (RASD), proclamada pela Frente Polisário (apoiada pela Argélia) no Saara Ocidental, um território controlado por Rabat e considerado parte integrante do reino marroquino.

O Marrocos, que desenvolveu ao longo dos últimos seis meses uma intensa campanha diplomática na África subsaariana, não apresentou quaisquer condições para ser readmitido na UA, nomeadamente, a expulsão da RASD.

Processo reintegração bastante técnico

De acordo com os meios de comunicação marroquinos, que se referem frequentemente ao artigo 29 do ato constitutivo da UA, a reintegração é efetiva apenas pelo voto, por maioria simples, dos chefes de Estado.

Äthiopien Debatte der Präsidentschaftskandidaten der Kommission der Afrikanischen Union
(DW/C. Wanjohi)

Os cinco candidatos que estiveram na corrida

Responsáveis argelinos declararam repetidamente que se trata da adesão de um novo membro, já que a UA substituiu a OUA (Organização de Unidade Africana)  em 2002, o que implica um processo muito mais complexo.

A presidente da Comissão da UA (órgão executivo da organização), a sul-africana Nkosazana Dlamini Zuma, foi acusada por Rabat de querer travar o regresso do reino. 

No domingo (29.01), o rei Mohammed VI de Marrocos, manteve novos encontros separados com vários chefes de Estado, como o Presidente do Congo, Denis Sassou Nguesso, da Guiné Equatorial, Theodoro Obiang Nguema, e do Ruanda, Paul Kagame, noticiou a agência oficial marroquina MAP.
 

Leia mais