1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Mineiros correm riscos em mina ilegal em Moatize

Várias multinacionais como a brasileira Vale ou a indiana Jindal exploram o carvão em Moatize. Agora um grupo de jovens abriu uma mina ilegal de carvão na região. O trabalho coloca em risco a vida destes mineiros.

default

Mina Chipanga 7 em Moatize

Chipanga 7 é o nome da mina ilegal de carvão em Moatize. Aqui, trabalham 80 pessoas, na sua maioria jovens de 16 a 35 anos. Dizem que por falta de emprego recorrem a esta atividade para a sobreviver.

Gildo Viagem, representante dos mineiros da mina do Chipanga 7, arredores da vila-sede de Moatize, diz que o trabalho é duro e não muito rentável.

"Não é rentável, só falta de emprego, por isso que agente está inclinado aqui. De resto, só consigo e comprar cadernos e lápis para os meus filhos," conta.

O carvão extraído na mina de Chipanga 7 é vendido no mercado local a preços que variam entre 400 e 600 meticais (correspondente a de 10 a 15 euros), por cada camioneta contendo de 3 a 7 toneladas do mineral. Os oleiros compram este carvão de baixa qualidade para a queima de tijolos.

Illegale Kohlemine in Moatize

Gildo Viagem

Falta de segurança gera acidentes

Para além de moçambicanos, fazem parte do grupo dos operadores da mina de Chipanga 7 também malauianos, que entraram no país ilegalmente, pois não apresentam nenhum documento que lhes autorize a residir em Moçambique. A província de Tete faz fronteira com o Malaui, o que facilita a imigração.

Gildo Viagem observa que a convivência na mina é pacífica. No entanto, lamenta o fato de a mina não ser segura e de os mineiros não possuírem material de proteção. Conta que há registo de constantes desabamentos de terras, com maior frequência na época chuvosa.

Só nos últimos quatros anos, duas pessoas perderam a vida naquela mina. Morreram por causa de desabamentos de terras. Outras nove pessoas contraíram ferimentos graves.

"Um jovem estava a cavar, tinha uma árvore. Ele cortou e ficou um pedacinho, mas aquele pedacinho era grande. Ele cavou, cavou. Ele não estava bem atento, já não estava a ver. Aquilo caiu e bateu na coluna. Ele ficou mesmo aleijado," recorda.

Illegale Kohlemine in Moatize

O carvão extraído na mina de Chipanga 7

Governo quer fim da extração ilegal

A administradora distrital de Moatize, Elsa Maria Barca, diz que o Governo de Moçambique está a tentar impedir a mineração ilegal.

"Não só pela extração ilegal, mas também por criar condições de qualquer dia desabar e desabar perante a comunidade que está lá a fazer esta extração. Então, estamos a trabalhar com as comunidades no sentido de desencorajar a continuação deste processo," afirma.

Ouvir o áudio 03:35

Mineiros correm riscos em mina ilegal em Moatize

Esta medida do Governo não é bem acolhida pelos mineiros. Para eles, a sua saída da mina só poderá acontecer mediante o pagamento de uma compensação, frisa Gildo Viagem em representação dos mineiros.

"O Governo também tem que ver, essas pessoas para sairem daqui, temos que dar alguma coisinha," defende.

Entretanto, a administradora de Moatize garante que o seu executivo, junto das empresas de exploração mineira que operam na região, está a tentar criar alternativas para os jovens.

"Estamos a trabalhar no sentido de criar de projectos de renda para esta comunidade, para sairem desta prática ilegal de extração de argilas para o fabrico de tijolos e da extração ilegal do carvão," revela.

Ziegelstein-Produktion Mosambik

O carvão extraído na mina de Chipanga 7 é vendido no mercado local a oleiros que compram este carvão de baixa qualidade para a queima de tijolos. Na foto, tijolos são queimados numa área próxima a uma mina de carvão, em Moatize

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados