1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Milhares de alunos ao relento devido às cheias em Moçambique

Mais de seis milhões de alunos voltam à escola em Moçambique, mas muitos outros não podem regressar, para já, porque tiveram de fugir das chuvas com as famílias. As enxurradas também destruíram duas mil salas de aula.

As aulas começaram oficialmente esta segunda-feira (09.02) em Moçambique. Tal como muitas crianças, Maira entrou pela primeira vez na escola. Apesar de não estar familiarizada com o ambiente escolar, o seu encarregado de educação, Mateus Cavele, diz que a menina está a postos para enfrentar o desafio.

"Tive a oportunidade de comprar o uniforme e também livros e cadernos a tempo", contou o pai de Maira à DW África.

Ouvir o áudio 02:16

Milhares de alunos ao relento devido às cheias em Moçambique

Sorte igual não terão os meninos das escolas que na cidade de Maputo continuam inundadas. São no total dez escolas que vão iniciar as aulas mais tarde.

Os pais e encarregados de educação esperam que as autoridades governamentais sejam flexíveis a resolver o problema.

"Acredito que o Governo vai arranjar uma alternativa, um currículo especial. Está na altura de fazer isso", disse o pai de um aluno, que lamenta a situação em que estas pessoas se encontram.

"É triste saber que há crianças que não vão poder avançar connosco. Mas o Governo é que sabe", declarou também uma mãe.

Escolas inundadas

As autoridades municipais estão preocupadas com o cenário de inundações em algumas escolas. Já foram mobilizadas motobombas para evacuar as águas, que "serão distribuídas esta semana para ajudar a vazar a água onde isso é possível", garantiu o presidente do município de Maputo, David Simango.

O outro desafio do município é transferir famílias desalojadas pelas chuvas que ainda estão acomodadas nas escolas. "Estamos a trabalhar para que as famílias sejam transferidas para um local de acomodação provisória, mas sem pôr em causa as aulas", esclareceu David Simango.

Não é só na capital do país que muitos alunos não terão aulas. No centro e no norte as chuvas destruíram centenas de salas de aula. Em Moçambique, 30 mil turmas vão ter aulas ao relento por causa das chuvas, segundo o Ministério da Educação.

Neste ano, mais de oito mil novos professores vão ser integrados e foram construídas mais duzentas novas escolas primárias.

Schulraum der Grundschule in Tofo, Mosambik

Escola Primária do Tofo

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados